quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

"Mantenha a Calma.

Quem compreende o sentido da vida sabe que nada tem início e nada tem fim, e portanto não fica angustiado. Luta pelo que acredita sem tentar provar nada a ninguém, guardando a calma silenciosa de quem teve a coragem de escolher seu destino.
Isso vale para o amor e para a guerra. "


-Pronto. Minhas escolhas já foram feitas e meus planos futuros parecem ótimos! (lê-se ótimos, o são, de fato)
Não me parecia corajoso temer o "fim do futuro" da forma como eu temia.
Porém, levando em consideração o quanto "pensamento é ação" e o quanto eu desejo tanta coisa (boa, por sinal)! Não vou falhar, afinal de contas acho que alguém me disse que: "Nós nos esforçaremos por isso. Aliás, esforço nenhum será necessário." Hm...Cumpramos com prazer! (Risos).
Lembro-me de algo parecido com... :"Pra sempre é tempo o suficiente para você?"
Mas... isso acontecia enquanto meu rosto estava entre seus dedos e algumas lágrimas rolavam, e.... isso é motivo pra uma outra história.
Uma boa história.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Whispering a prayer.

Imagine a situação, a sensação.
Pernas trêmulas. Eu mal sabia o que fazer com a respiração.
Tudo bem, eu já estava lá em cima mesmo. Com pressão ou sem pressão era o que eu realmente queria. O que realmente me fascina e me fez bem.
Soltar um pouco da voz que existe aqui dentro de maneira tímida deve ter sido um bom começo.
Tanto quanto olhar adiante e ver aquelas carinhas sorridentes cantando junto com você.
Tanto quanto olhar pra frente, bem na frente diga-se de passagem, e encarar o homem da tua vida, com aquela carinha boba te olhando, tão nervoso quanto você, tão orgulhoso quanto você, tão terno qanto você.
Aí você para e pensa na grandiosidade do ser que tá alí, do teu lado, te aturando, te acompanhando. Eu confesso que a minha vontade constante é de agradecer.
Agradecer à você cada momentozinho, te beijar em todos os pedacinhos da sua face. Porém existe o receio. Então me contento a fazer isso de maneira esporádica.
Então eu fico por aqui. Bobona, sorridente, na companhia daquele que me completa; daquele ser que com a simples existência faz com que um sorriso que o mesmo sempre desejou, brote involuntáriamente nos meus lábios.
Um sorriso de amiga, de menina que além de engenheira e musicista, quer ser sua mulher.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Sou "tão" perto de você.


"De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."
Na não. Foi mal Vinicius. Definitivamente não é um bom final de poema. Não mesmo.
Haja visto que é um soneto de fidelidade, como prometer fidelidade a algo finito, mortal? Não seria contraditório? Prometer fidelidade à uma "duração" parece triste ou fraco.
Talvez eu possa ser extremista demais, ou louca demais.
Talvez você me veja como uma maluca, divagando em cima de um soneto auspicioso tão elogiado de um "gênio".
Que seja! Na minha insanidade me faço, me sinto... Sã.
Na minha insanidade estamos ambos (os dois) sãos.
proponho assim, um novo "fim".
"Que não seja imortal, como a chama
Mas que seja infinito, posto que é eterno."

domingo, 13 de dezembro de 2009

Cativar

Conviver não é aprisionar
"Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do ser amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?"
- Mário Quintana.

Ah, Mário quintana... Prometo.
Engraçada a proximidade entre os vocábulos prender e perder.
Não, não quero fazer uso de ambos. Nunca.
Se a liberdade é o oxigênio do amor, de bom grado a darei.
Sinto Às vezes que lhe aprisiono, que lhe exijo coisas. Não coisas impossíveis ou exageradas. Mas coisas que, ao invés de lhe prender, possa lhe perder. Visto as garantias que vivo pedindo.
Peço que me entenda, e que perdoe o tudo passado.
Pesso que simplesmente me ame, tanto quanto venho te amado.
Amando.
Presente de hoje, passado de ontem e futuro do amanhã.
Droga! Novamente estou a pedir. Peço agora desculpas.
Mas algo interessante trago comigo.
Não te prendo dentro de mim. Não precisei.
Tu está aqui livre, e não preciso de correntes para que você permaneça para sempre.

sábado, 12 de dezembro de 2009

O Poeta e a Lua

"...Mas que enlouquecida busca o poeta
E na sua ânsia o mata, o cerca
Mata de tanto inspirar e escrever
Dando sentido à vida, ensinando a viver. "

Créditos à Thabatatinha pela letra.
Na verdade, exposto aqui está apenas parte dela. A parte coerente pra mim. eahoiuhaeiuh :B
O eu lírico é "perseguido" por sua amada, que o envolve e...Sem esta, o próprio não vê sentido em sua medíocre vida. (uh, aumentei porque agora falo de mim ^^)
O que seria de mim, eu lírico de minha vida, sem meu ser tão amado e desejado?
Às vezes me pego a matutar sobre certos fatos...
Imagine, e se tu não fosse o cara da carteira de trás?
E se eu não tivesse me disposto a declarar-me apaixonada?
Não acredito que seja uma simples obra do acaso, visto que esse não existe (pelo menos para mim).
Talvez simplesmente tivesse que acontecer. Se não fosse ontem, talvez acontecesse no amanhã. Ou no tal "ano que vem". Mas eu sei que simplesmente aconteceria. Caso contrário, que diabos estamos fazendo aqui senão estamos a nos reencontrar? E se nao for pra reencontrar, que simplesmente nos encontremos com o intuito de nunca mais desencontrar.
Só, apenas.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

No more lonely nights

Abrir os olhos, e te ver mais do que no pensamento.
Você estará lá, deitado. Ressonando em sua aparência angelical com os olhos semicerrados como de costume, e respiração profunda.
Tirar a mesa, lavar os pratos e... ao virar o corredor... TCHARÃN. Ter uma tarde pra você, que vai estar num sofá nosso qualquer, a me esperar. Não ansiosamente. Mas cativo. Te cativei como me cativaste e cá estamos a rir das crianças de bocas sujas após o almoço "com molho" de Domingo.
Brincadeiras, uns puxões de orelha, talvez música ou filmes, até mesmo um cochilo da tarde.
Lua no céu.
Tomar banho e ao sentar na cama sentir uma mão suave a me puxar pela cintura.
Me perguntarei se aquilo realmente está a acontecer. Tanto tempo se passando e eu ainda perdida entre sonho e realidade, Ah, sempre a mesma menina apaixonada pelo garoto de sempre.

Não é só uma idealização. É premonição, compreende?
Prever você aqui, não utópicamente, pra sempre.


"Quem duvidaria que, seu amor em mim poderia perdurar?"

domingo, 6 de dezembro de 2009

Every breath you take.

Essa é uma história de uma garota.
Uma garota que sempre foi muito forte.
Muito auto-suficiente.
Sempre achou que tivesse vivenciado de tudo um pouquinho, sempre achou que seria fácil se desfazer de coisas e encarar outras com raça e tranquilidade.
Pra ela, o amor nunca foi uma coisa de "parar o tempo". Nunca foi de aturar ninguém mandando, e homem algum jamais chegaria a merecê-la por completa. Eram todos falhos demais.
Homem nenhum também merecia a confiança dela. Ela tinha medo de se decepcionar.
Medo de que as pessoas mudassem do dia pra noite. Tinha medo que juras pudessem a prender, porém não prender aquele que jurou.
E assim ela foi vivendo...
Um pé na frente, outro atrás.
Um belo dia ela encontrou um rapaz. Um amigo. "Poxa vida, ele sim é um cara interessante."
Passam dias, passam fatos, passam meses.
Passa o medo, enfim.
Ela descobriu que jamais amara na vida com a intensidade que amava agora, e que amaria pro resto de sua vida. Perante aquilo ela sequer sabia se realmente já havia amado.
Ela descobriu que era preciso deixar o medo de lado, se entregar totalmente pra que algo valha a pena...para alguém que valha a pena e que ela jamais chegará aos pés.
Ela descobriu que o simples amar e confiar pode fazer durar.

Esqueci-me então de tudo e mergulhei nesse mundo de amor.
Ah, obrigada por me ensinar a não ter medo de amar.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Solução: Conjunto dos Reais.

Por um determinado ponto, passará uma reta, duas retas, um feixe de retas...
Infinitas retas.
Como o oito deitado das minhas sensações adoráveis no amor.
Já por dois pontos, passará apenas uma reta. Nada mais do que isso. (se não me falha a memória de um péssimo terceiro ano em matemática)
Uma única reta.
A reta da promessa, da recriprocidade e do finito.
O finito que só serve para delimitar os participantes das minhas sensações adoráveis no amor.

Somos dois pontos ligados por uma única reta.



Ps: Posso ficar retida em matemática, mas essa lição eu aprendi.
:D

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Étoiles

Olá.
Provávelmente você deve ter se perguntado o significado do título da postagem.
Bom, significa simplesmente "Estrelas", só que em francês.
Não quero supervalorizar outra língua, só gostei das estrelas como étoiles.
.


"Olhar teus olhos de promessas fáceis, e te beijar a boca
de um jeito que te faça rir, que te faça rir."
Hoje eu cheguei a conclusão de algo que venho concluindo a certo tempo.
Daqui pra baixo, pode até parecer uma antítese, ou uma pessoa em devaneios ou divagações mas...
Concluí que meu coração e pensamentos jamais concluirão, sequer processarão todo esse sentimento "teu" que me invade.
É como um oito deitado, como os multiversos não finitos, como um abstrato de inúmeras possibilidades de explicação que, prefere-se que não seja explicado, de modo que seja preservada sua majestosa infinidade de significado.
É diferente de qualquer coisa que já pude sentir, é incrívelmente grandioso, forte e bom.
Incrívelmente bom.
Desesperador talvez.
A ausência desespera, a saudade na presença desespera e acalma.
Não peço reciprocidade de pensamentos, eu a imploro.
Não peço que me ame pro resto da vida, esse é só o meu maior desejo escondido e escancarado.
Escondido aqui dentro do peito, que de tão escancarado não consigo apalpar.

Certo dia, escrevi uma música, caro leitor. Creio que ela foi bem recebida pelo meu público.
Se um dia, quando eu estiver num talk show, ou mesmo em uma roda de um lual me perguntarem "Hey Mari, me diz pra quem você fez a tal música?"
Eu vou simplesmente responder:
"Sabe aquelas músicas vazias de sentimentos, porém cheias de palavras?
Então...Essa foi uma delas! Queria algo que fizesse mais sentido para os outros, que agradasse os ouvidos alheios, mais do que fizesse sentido para mim.
Porém, um certo tempo depois de escrita, assim como ela pode fazer sentido para quem a ouve, passou a fazer sentido para mim. E ela faz sentido, até hoje e, especialmente nesse trecho:
"Aquele dia, aquele papo furado, ficou na minha memória.
Fique sabendo que eu quero você pra construir minha história.
Ah, como eu quero te ter
Ah, como eu quero te ver
Ah, como eu quero você...Aqui."

Na época...por mais que parecesse, não foi. Hoje... Posso dizer que ela foi escrita prevendo algo que estava por vir. Talvez eu deva mudar o nome da música para... "Prevendo você aqui".
(risos)"

Sou o caminho para o sucesso, certo?
O teu, o meu, o nosso sucesso.

domingo, 29 de novembro de 2009

Se apegue a esse dia.

- "Mas, eu não estou chorando de tristeza..."
- "Não?"
- "Eu tô chorando é de felicdade, porque eu te amo, e que eu quero ficar contigo pra sempre. Ou até eu aguentar, você aguentar."
- "Então...Isso é pra sempre."

Então a garota se apegou a este momento, este dia.
Bem como se apegou a outros momentos passados, que auxiliaram na contrução deste.
Bem como se apegará aos inúmeros infinitos momentos, que ainda estão por vir.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

From this moment on.

From this moment life has begun
From this moment you are the one
Right beside you is where I belong
From this moment on.

From this moment I have been blessed
I live only for your happiness
And for your love I´d give my last breath
From this moment on.

I give my hand to you with all my heart
Can´t wait to live my life with you, can´t wait to start!
You and I will never be apart
My dreams came true because of you.

From this moment as long as I live
I will love you, I promise you this.
There is nothing I wouldn´t give
From this moment on.


E conforme a garota lê, relê e canta essas palavras em forma de promessa pra si, pra ti...
Lágrimas escorrem
Sem querer, com querer.
Com fervor, de amor.
Ah, cumprirei com prazer.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Yesterday.

Somos seres humanos tão simples
Pensamos de maneira simples
Sentimos de maneira complexa
Sonhamos de maneira complexa.

É incrível a necessidade de transferir em palavras cada sensação processada pelos meus sentidos.
É incrível o fato de eu sempre fracassar, haja visto a amplitude dos mesmos.
Seja por escrita, seja por fala.
Meus dedos se atrofiam, minha voz se cala.
Dedos se atrofiam no limite das palavras conhecidas por eles.
A voz se cala embargada por emoção da sensação desconhecida do inexplicável.
Não adianta, sempre tentarei explicar. Sempre.
Por mais que você já saiba, já sinta.
Nunca me importarei de te lembrar. Nunca.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Tudo o que foi. Tudo o que será.

Comece pelos olhos.
Olhe, veja, repare. Sinta através dele toda a sensação que teu corpo te priva
(ou pelo menos privou).
Depois temos as mãos.
Afague-as, aperte-as, deseje-as e precise disso como se tua alma dependesse do simples toque da pele do ser tão almejado.
Que tal a respiração agora?
Mais perto, você pode sentir mais do que uma respiração atrapalhada, você sente fragmentos vitais sendo enviados para ti que parecem dizer: “Confie em mim, venha comigo, eu te amo.”
...
Agora comece pelo canto da boca.
Se sinta como um guerreiro cansado e se renda. Renda-se ao simples toque complexo de duas bocas sutis, que única e simplesmente se precisavam.
(e continuam se precisando, se buscando)
Depois avance lentamente.
Percorra teu lábio trêmulo por aquele outro como se tivesse medo e ao mesmo tempo necessidade do toque. Involuntariamente recue, retorne. Não desista, o melhor virá.
E quando o medo se esvair e a certeza se firmar...
Lábios se tornam firmes e certos. Faz sol, está quente.
Dentro de ti faz calor, faz amor, faz tudo ao mesmo tempo e, você parece calma.
Você está calma.
A tempestade se foi, o sol abriu.
Seu amor se aflorou e, toda a dor sumiu.

“Felicidade é um fim de tarde” sentindo o pôr-do-sol da ETECAP.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Dreams

"Que sensação se comunica a todo o meu ser quando por acaso meu dedo toca no seu, ou nossos pés se encontram embaixo da mesa! Retiro-os como se tivesse tocado o fogo, e uma força secreta impulsiona-me de novo. A vertigem arrebata os meus sentidos! ... E dizer que sua alma cândida não sabe o suplício que me infligem essas pequenas familiaridades! E quando, animados pela conversa, ela pousa sua mão sobre a minha e, mais arrebatados ainda pelas palavras, ela se aproxima tanto que eu chego a experimentar seu hálito celestial junto dos meus lábios."
Goethe.

Por um acaso esse homem pousou em meu corpo, leu minhas sensações e as transcreveu em palavras?
Oh God, Oh Goethe.
Oh my dear.

Notorious.


"...que até certo ponto...foi leal. Pena que as pessoas se contradizem com o próprio caráter. "

Palavras essas, ditas para mim pelo google. Quando escrevi meu nome no mesmo.
Será que se eu apagar essa postagem, alguém irá encontrá-la em "cache" no Google caso se lembre de alguma parte peculiar?
haha, engraçadão né? Tou rindo até agora.

A vida é um paradoxo.
Vivemos no "Hot n' Cold"... Portanto... Faça suas escolhas.
Sempre serão escolhas certas. As minhas sempre são, pelo menos para mim mesma.
Aprenda, mas não se arrependa.
Enjoy every fucking moment with a dumb fuckin' smile in you fucking face.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Louco.

"Tem um louco preso dentro de mim...
...E esse louco preso é meu coração,
Condenado a morrer por você.
Me salva, me livra, me ama. Seu amor me faz viver. "

Ah como a gente fica bobo quando fica desse jeito.
Estaria eu um pouco mais insana conforme meus dias, nossos dias se passam?
Me sinto dependente, cheia de você.
Cheia dos seus carinhos, do teu amor e do teu olhar.
Cheia de querer mais e mais.
Sem sequer, nunca, jamais...encher, cansar.
Que venham dias, meses e anos.
Teremos dias, meses e anos.
Que venha a vida, enfim.
Teremos vida. Amemo-nos.

Have a nice day

Finja.
Assim eu minto que acredito na minha insignificância pra você.
Até quando os seres humanos serão tão fortes de fachada?
Talvez até alguém o cutucar de leve no ombro e avisar :"Hey cara, tá forçado!"
Não peço que caia em profunda depressão, nem em tristeza e revolta precedida de uma transformação em "O incrível Hulk". Mas pediria, no mínimo, naturalidade.
Mas, em que posição estou eu, aqui, de pedir algo?
Primeiro, não mereço pedir nada.
Segundo, não mereço pedir nada de alguém que nunca teve algo como isso.
Somos todos seres humanos fortes demais para sermos naturais, certo?
Vamos lá, todo mundo junto! Continuem dizendo aquilo que bem entenderem, porém, nunca entenderão nada.
Um dia, de tão repetida essa realidade aparente, vai passar a ser verdade. Pelo menos para você e todo aqueles que sequer tiveram atrevimento de perguntar, de se importar de verdade...Se atarefando única e completamente de julgar.
Sequer possuem diploma de Direito...
Sequer vivem sua vida direito.
Pobres canhotos.



"Why I'm gonna tell you how I live my life?"

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

"Óbvio utópico VIII "

"Perdida em meu abraço
Com o rosto escondido em meu peito
Derramarás algumas lágrimas
Eu não poderei ver, pois estará escondida em mim
Mas também estará sorrindo, aliviada
Talvez emocionada
Absurdamente apaixonada
Me apertará mais forte
Até sentir meu coração disparar mais forte
e ficaremos assim unidos, até o amanhecer. "

Acho que agora só nos resta esperar o amanhecer. Bora?
:)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Morte

Ah, ela é inevitável.
Talvez, mais do que a tristeza, é a certeza certa do ser.
É pra onde vamos, de onde viemos, o que no fim seremos.
Morte física, morte simbólica, morte sentimental.
Algumas mortes são nescessárias para deixar outras vidas florirem do modo certo. Se te matei, perdão. Apenas acredite que há uma vida a compensar-te.
Não me arrependo das vezes que morri.
Não me arrependo das vezes em que matei.
Levando em consideração minhas teorias de vida eterna, essa "pequena morte" viverá em algum lugar na erraticidade. Na minha erraticidade.

Mas, e quanto à vida? É só feita de morte?
Não.
É feita também de atos, de momentos, de vivências que se eternizam num certo espaço do ser vivo que jamais morrerá.
Por mais que isso possa lhe soar contraditório, pra mim é tão natural.
Discorde de mim. "Não é nada demais...." como alguém já disse ou cantarolou.
No momento eterno pelo qual me econtro vagueando vivendo, qualquer discórdia é normal e, pensar em alguma morte agora, é imoral, irreal.
Como dito, me encontro num estágio eterno de vida, então...
Deixemos as mortes para lá.

E agora para o seu moço lá:
Te prometo a tua vida aqui dentro. Eu apenas...
"Suplico que não me mate, dentro de ti."

sábado, 14 de novembro de 2009

There's a flame...

...That's burning in my heart."

E sempre existirão músicas.
Sempre existirão palavras que serão repetidas na tua vida.
Serão repeditas, mas nunca com o mesmo sentido. Nunca com a mesma intensidade
(ou insanidade).
Eu choro aqui minhas palavras cheias de um coração mais cheio ainda.
Eu procuro, da melhor forma escrever aquilo, isso, aqui de dentro...compreende?
Eu penso que, não...não penso.
Não, não procuro melhor forma de escrever o amor.
Não sei inovar o amor escrito. Apenas o sentido.
Eu amo você.
Diferente dos clichês, dos amores de novela e das hitórias dos melhores romances escritos.
Ah, se é amor (como eu bem sei que é, como dizem que é)...
Eu amo você.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Ces nuits



Um casal de origamis insinuando uma miscigenação não é mera coincidência.
XD
Tá mais pra uma previsão de futuro, compreende?
Onde africanos se misturam com bolivianos e criam uns ranhentos maloqueiros que pulam da escada daquela casa que eu sonhei.
É engraçado deixar as metáforas ou deixar de esconder certos nomes ou frases do dia para a noite. (Onde se diz engraçado, lê-se maravilhoso)

Agora a garota pode abraçar, cheirar, beijar e gritar para os quatro ventos o que bem sente.
(sim, ela ama)
Pode chorar nos braços do amado,
deixar os dedos se procurarem, se misturarem,
sorrir, e receber aquele sorriso tão esperado de volta.
Ela pode enfim, agradecer.

Não peço que seja eterno enquanto dure.
Apenas que seja eterno, como será.
Como há de ser.

...E agora, você acredita no nosso "para sempre" ?
Eu sim.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

And now...

"Quando te vejo, coração bate apressado.
Quando te vejo, fico todo arrepiado.
Eu tenho planos pra nós dois,
Pra mim, nós dois já somos um e, ir pro futuro sem voce é alcançar lugar nenhum.
A gente pode ser feliz. Me diz que sim?!
Pegue teus sonhos, teu amor, e gruda em mim.
Nunca senti por mais ninguem, tanta saudade.
Eu logo vi que com voce tudo é verdade, tudo tem mais sabor, tudo tem mais razão.
Voce me faz feliz, você me faz sentir os pés no chão.
É só soltar o coração, conte até um e diz que sim!
Pegue teus sonhos, teu amor e gruda em mim."

E mais uma vez, as palavras de outrem se transformam numa luva de tamanho "m", a qual cabe perfeitamente na minha mão.
Nunca serão completamente o que sinto ou penso... O que sinto, o que amo e penso, são efetivamente inexplicáveis com o simples dom da palavra complexa.
Porém, trechos como este acima fazem total sentido e significância.
(não procurem o autor. heaoiuheaiuh :x)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Changes.

"If i had a chance for another try,
I wouldn't change a thing!
It's made me all who I am inside."

Angels and Airwaves - Rite of spring.


E então a garota deixou toda aquela multidão falando sozinha.
Eram palavras já conhecidas, nada de novidade para ela. Nada além do esperado.
Tão previsíveis... Tão incompreensíveis. Humanos, é cláro.
"Quem precisa de números?" Ela pensava.
"Para quem eu devia satisfações, explicações...em vão, é cláro. Eu as dei. (ou não, por enquanto)"
Foram explicações sentimentais tão bem dadas que, quem realmente via a garota por dentro pôde compreender. Não concordar, mas compreender. Talvez até concordar, como foi o caso de alguns.
Alguns poucos, é fato. Mas os necessários, somente.
E então a garota abraça longamente aqueles quais sorriem para ela. Sorriem e acenam, vendo muito mais do que uma atitude impulsiva e inconsequente em tudo aquilo.
Após tal ato reconfortante ela se vira, sorri um sorriso largo, espontâneo daqueles de quem se vê amando e, vai ao encontro do abraço daquele que a espera impacientemente, simplesmente por um sorriso.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A promessa

E agora, toda aquela espera
Que pareceu tão longa
Enfim, se encerra.
Agora, a espera é por mais.
Agora, eu quero a paz
do teu calor, dos teus olhos.
Os lábios proferirão,
beijarão, queimarão.
E sem se importar, se calarão
Num silêncio que não incomoda.
No silêncio que constrói.
Um silêncio só nosso.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Óbvio Provável:

Você para amar.
Teus braços, abraçar.
Poder enfim, gritar:
"Aonde quer que eu vá
levo você, no olhar".

Na verdade, de minha garganta sairá muito mais do que uma música cantarolada por uma voz a qual eu admiro. Sairá muito mais do que um voto de confiança.
Enfim, sairá o tão almejado amor.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

A viagem.

"Na escuridão, o teu olhar me iluminava.
E minha estrela guia, era o teu riso.
Coisas do passado são alegres quando lembram novamente as pessoas que se amam.
E em cada solidão vencida eu desejava o reencontro com teu corpo abrigo.
Ah minha adorada! Viajei tantos espaços pra você caber assim, no meu abraço."

Fazer amigos é fácil.
Cultivá-los que é o problema.
Mas, como ultimamente eu tenho visado mais qualidade do que quantidade, cultivar alguns será tarefa fácil.
Alguns passam por passar, deixam algo a acrescentar, e no fim das contas ficam só na lembrança (talvez nem isso).
Alguns passam e ficam, somem, reaparecem e permanecem. Deixando assim em nós, marcas luminosas as quais nos fazem sorrir, nos fazem chorar (talvez por um desabafo, ou por rir demais)...E que principalmente nos faz querer agradecer a algo ou alguma coisa pela existência de tais seres. Seres incrívelmente compreensíveis e providos de palavras certas, em horas certas.
À vocês, sabe-se lá quem... ( eu sei ) O meu obrigado.


" Nós temos um céu, uma lua, duas mãos e dois corações que batem na mesma sintonia qual nossas palavras ditas conjuntas.
Se levarmos em consideração a teoria de que corpos que vibram na mesma sintonia podem se atravessa/fundir...Temos um coração só. "

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Do muito, Do pouco.



Se em terra de cego quem tem um olho é rei,
Imagine quem tem os dois.
É muito quadro pr'uma parede
É muita tinta pr'um só pincel
É pouca água pra muita sede
Muita cabeça pr'um só chapéu
Muita cachaça pra pouco leite
Muito deleite pra pouca dor
É muito feio pra ser enfeite
Muito defeito pra ser amor
É muita rede pra pouco peixe
Muito veneno pra se matar
Muitos pedidos pra que se deixe
Muitos humanos a proliferar.
Se em terra de cego quem tem um olho é rei,
Imagine quem tem os dois.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Don't go away mad.

- "Eu não quero ir embora."
- "E nem precisa ir."

E então a garota depositou naquele abraço todas as suas esperanças e jogou fora todas as desconfianças.
Não tinha nada a temer, nada pra duvidar.
Definitivamente nada daquilo poderia ser mentira.
E então... Alguns segundos que, para a garota pareceram eternos e, que agora parecem ter sido milésimos de segundos se discorreram, até que o contato corpóreo foi se findando. Diferentemente do contato extracorpóreo, diferentemente da energia, do magnetismo...Esses sim persistiram, como persistem até agora, no íntimo da garota.

"Apenas começamos..."

domingo, 25 de outubro de 2009

Horoscope.



Horóscopo de 25-10-2009
Hoje você precisa ter um dia mais comedido, sem excessos. Procure organizar a sua vida, ter um domingo saudável e lidar com os seus desejos de maneira mais serena.
Amor
Vontade de amar cada vez mais intensamente, mas você precisa pensar também na estrutura que viabiliza a relação.
Diversão
Reserve um momento do dia para pensar no seu próprio sucesso.
Dicas do dia
Hora de demonstrar maior maturidade.


Cara, quem é o fiho da mãe que tá me espionando? HÃAA? heeeein?

haeoiehuhas :B Eu adoro horóscopos!

E, hoje, a minha demonstração de maturidade foi dormir muito. Nunca me senti tão madura. (risos)

Sabe as borboletas no estômago? Então! Hoje consegui driblá-las melhor e comer queijo! HÁA...fazia tempo que eu não saboreava algo sem enjôo. Seria isso um sinal? (uau!)

Um sinal de engorda, talvez.

Um sinal de que tudo vai melhorar? Talvez.

E tudo é um graaande talvez que eu digo que não é um talvez porque eu acredito na força das palavras e pensamentos. (contraditório?)

Ah, que seja. Acho que vou estudar um pouquinho de Biologia (aaah, horóoooscopo! -.-)

:*




Se houver algo mais belo que essa coragem no amor que eu consigo sentir em mim, esta... Está guardada pra depois.

( I want... I wait.)

sábado, 24 de outubro de 2009

Senta aqui.

- Senta comigo amiga, me conta tudo, que história é essa hein?

Papo vai, papo vem... Risos, confissões bizarras e mais risos, no fim das contas.

- Bom, não posso fazer nada a não ser fazer parte do grupo que acha isso um tanto quanto atípico. Mas vá lá, se vale à pena, vá lá.

Gilbert da Silva Sauro, você é um desgraçado de um amigo foda, e eu amo você.
E vale à pena sim, pelo menos até agora valeu.
E pra ti, eu tenho certeza que tudo vai dar certo. Se não der, não esquece que a gente sempre tem que ter aquela ficha reserva...whatever. Não pense nisso agora, as coisas boas e desejadas parecem muito mais possíveis. XD
O negócio é sonhar, certo?!

"Mais do que nunca é preciso sonhar!
Antes que seja tarde, antes que seja ontem."

Em cada abraço, um reforço.
Um sonho.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Whatever.

Louis : "She is your past! I am you future!"
Clark : "But we are in the present..."

É tenso. aehoiuaehiueahiuhsiuhaesa
Isso que dá assistir muitos seriados! Dá até pra chorar assistindo E.R.
Mas às vezes a vontade é de me refugiar em um certo Charlie do "two and a half man".
Ser um bêbado sem coração talvez fosse bom (Até a ressaca ou filhos chegarem, é cláro!).
Mas nãaao, prefiro à mim mesma. XD

Nada de útil para se fazer hoje, sem criatividade para escrever.
Melhor deixar minha criatividade para minhas mentiras.
tchau:*

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Bandolins

"Where did you go?
I miss you so.
Seems like it's been forever that you've been gone."

E mais uma vez, a música dele (Mike Shinoda) propõe um novo significado à mim.
Não procure entender, caro leitor, é demasiado pessoal e, a não ser que eu tenha te contado ou você seja quem vive isso comigo, não entenderá.
Sem maiores esforços para compreensão, eu própria parei de tentar compreender e agora apenas sinto.
Apenas quero sentir, e isso, eu posso raciocinar (pelo menos, tento).
Sentir o quê? Você deve estar se perguntando.
Sentir o nada, sentir o tudo.
Sentir o abraço, o cheiro, a saudade
E sentir a vontade conjunta com a certeza de que as coisas só tendem a melhorar...Como há de ser.
Como há de ser... Como se quer que seja.

Vamos lá Oswaldo Montenegro, essa semana tu dominou meus pensamentos e ouvidos!
"Quem vai dizer ao coração que a paixão não é loucura?
Mesmo que pareça insano acreditar... Me apaixonei por um olhar, por um gesto de ternura, mesmo sem palavra alguma pra falar.
Meu amor, a vida passa num instante e, um instante é muito pouco pra sonhar."
Quando a gente ama - Oswaldo Montenegro

O olhar, as mãos e o sorriso, o silêncio que não incomoda.
Que tal?

domingo, 18 de outubro de 2009

Desejo e bom senso.

Que tal os dois?
Ahn, não.


A vontade é de gritar. Mas o bom senso me reprime, fazendo com que eu simplesmente espere e sorria. (O meu melhor sorriso, é claáro).
Os dias se passam rápidos e lentos, e quanto mais eu penso, mais enlouqueço e, logo existo.
Não preciso mais de dúvidas, não as quero mais.
Apenas minhas pequenas-grandes certezas guiam meus passos ao destino almejado e, vou sem culpa, sem pensar ou fraquejar na dúvida que já não existe mais.
Agora vem o passo, outro passo.
Dois pequenos e rápidos "passos".
Em cada um, uma certeza, uma confiança e um futuro promissor.
Certo?

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Beije teus filhos, abraçe teus cachorros.
Ou seria o contrário?
:B

Sit and listen.

E já não existe mais certo ou errado.
Só existe o que será.
E já não existe mais medo.
Só existem consequências para cada um dos meus atos.
(Os quais eu prejulgo certos, são certos, serão certos)

Ah caros amigos, é bom quando passamos a compreender o que o outro sente na prática, certo?
Ahn, pelo menos vemos que não existem pessoas físicas culpadas, nem vítimas.
Apenas seres humanos que vivem.
Vivem errando,
Na maior das vezes vivem errando a fim de acertar,
vivem enfim, a fim de no fim acertar.



E a música broxante do dia éee...
"Eu tenho planos pra nós dois.
Pra mim, nós dois já somos um
E ir pro futuro sem você,
É alcançar lugar nenhum.
...Pegue teus sonhos, teu amor, e gruda em mim."
HAEOIUEAHOUIEAHOUIHSIAUEHAS :B
It's true. (y)

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Words are trivial.

"Feelings are intense,
Words are trivial."

Eu poderia parar de dormir, mas nunca parar de sonhar.
Eu poderia parar de chorar, mas nunca parar de sentir.
Estar perto, estar longe. Ou estar longe, mas estar perto.
Não é utopia.
Não é segunda geração romancista.
Não é cobrança.
É esperança, é insanidade.
Não é vaidade, é saudade.
Aquela saudade sem vaidade, sem fim, sem começo. Só saudade.
Só vontade.
Eu quero, eu espero.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Turn Around

"Se vier, venha sorrindo me conquistar, me pertencer."


E hoje eu não preciso do amanhã.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Don't Speak.

Poderíamos nós, seres humanos, insignificantes em nossa ignorância e palavras falhas, traçarmos nosso(s) próprio(s) futuro numa tarde sem fim como essa que, curiosamente, se findou?
Honestamente, gostaria de afirmar com a maior convicção do mundo, como eu já ouvi por aí em algum lugar, "yes, we can". Mas, por enquanto essa tese de mestrado vai ser arquivada, afinal de contas, preciso de mais dados para uma, digamos, aprovação (aguarde próximos capítulos).

Hoje acordei meio Fernando Pessoa e seus heterônimos.
Uma coisa meio "Vamos a la revolución, yo soy Martika de Bolagnón e yo voy cortar los bagos de lo primeiro chiquito que brotar em mí camiiinho, HUÁAA".
Aí depois eu passei pra... "Uma bêbada de bar, com feições sexy's meio borradas pela taça de vinho tinto barato esperando alguém(?)".
E no fim das contas eu voltei ao meu heterônimo félodamãe de sempre. Aquela coisa meio "Cala boca, pensa comigo, respira...Tudo azul! Pega lá a porra do "quero-quero" e imagina uma vaca voando, essa sou eu, peraê, não a vaca! O quero-quero fêmea, e , adivinha?"

Tá, pera, tá confuso certo?
Essa era a intenção cara! :D
Eu não tô aqui pra facilitar a vida de ninguém, muito menos de leitores de blog. (risos marginalizados) Pra alguns essa parte do "facilitar" vai soar, digamos, extremamente coerente.

Mas enfim. Chega um momento na vida de uma pessoa, em que descobrimos o quanto é importante ter autocontrole e uma boca fechadinha, a fim de que não entre mosca na mesma.
E quando eu descobri isso, eu ... Ah, eu nem descobri isso ainda oo'. Foi só mais alguma futilidade cheia de astúcia (?!) pra encher linguiça nessa página e prender a atenção de alguém por mais tempo.
Funcionou? :D

(Close your eyes, give me your hand, darling. Do you feel my heart beating? Do you understand?)

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Mad World

"And their tears are filling up their glasses
No expression - no expression
Hide my head I want to drown my sorrow
No tomorrow - no tomorrow

And I find it kind of funny
I find it kind of sad
The dreams in which I'm dying
Are the best I've ever had
I find it hard to tell you
'Cos I find it hard to take
When people run in circles
It's a very, very Mad World."

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

E na casa da tia...

"Quando você passa eu sinto o seu cheiro.
Aguça meu faro e disparo em sua caça.
O tempo inteiro a te admirar,
perco o tino, paro de pensar.
Seguindo teus passos aonde quer que vá."

Banda Eva é cultura também. (Na época da Ivete, é cláro)

Nós nunca temos problemas demais, acredite!
E nunca diga que vai piorar porque...acredite, piora.
Mas também não vá acreditar que seus problemas sejam todos insolúveis, afinal de contas, seria mentira.
Quando você cuspir pra cima, olhe toda a trajetória dos perdigotos (escarro, pigarra...depende de você)... Observe bem como ele se move maravilhosamente e, se tivermos um sol nesse dia, observe o belo efeito físico da refração nos ditos perdigotos. Veja bem! (Em slow motion, de preferência) E não o perca de vista quando ele cair de volta bem no teu nariz! Olhe-se no espeeelho e verá que, os até então belos perdigotos, estarão lá. Isso mesmo, na tua face!

issoaê campeão o/

sábado, 3 de outubro de 2009

Some Tears For Fears.


Um passo, mais um, mais outro.
A garota em seus passos curtos e lentos estava eufórica, apesar de disfarçar tal euforia no modo como caminhava.
Pensava, sim. Apenas pensava. Pensava no que seriam dos próximos dez minutos. Se toda aquela confusão se resolveria. Se José Armando enfim resolveria ficar com Romilda e deixar mulher e filhos. Pode parecer ridículo, triste largar família assim. Mas ela queria tanto que assim acontecesse, afinal de contas, eles sentiam aquilo. Aquilo, sabe?
A garota pensou naquilo então.
"Danem-se os outros, oras..."
Correu até o portão de seu prédio, enquanto todos a seguiam com olhares, no mínimo, curiosos.
Agora o passo era corrido, louco e desenfreado. Subia escadas.
Abriu a porta de seu apartamento, sentou-se no confortável sofá, deixando bolsa e sapatos largados, e...
José Armando enfim corria pra Romilda, e..."danem-se os outros, dane-se a constância".
Ah sim, o fim da novela não poderia ter sido melhor!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

If you can imagine this...

Sabe...
Eu poderia parar de ouvir músicas românticas e pensar que elas podem servir pra mim (or, to us).
Eu poderia cair na real de uma vez e correr enquanto eu tenho tempo, mas eu prefiro me render cada vez mais.
Eu poderia parar de ver um futuro bonitinho com coisinhas fofinhas e o caralho a quatro, visto que eu poderia desgraçar um presente.
Mas eu continuo aqui, paradinha, esperando.
Eu poderia, gostaria até, de gritar que eu quero tudo agora, agora, e do meu jeito.
Gritar que certas coisas me afetam, me infectam.
Rodar a baiana daquele meu jeito desbocado, "Is now or never".
Mas gritar faz barulho demais,
Gritar nunca funcionou, não vai ser dessa vez.

"Esperamos..."?

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

This Ain't a Love Song

Talvez eu vá pro inferno... Se ele existisse.
Mas, se o inferno existe...Na minha cabeça, não há como fugir.
Talvez eu deva parar de correr ao encontro da minha própria ruína, e impedir que lágrimas caiam dessa vez.
Talvez o controle me leve ao descontrole, as palavras venham a me trair, a escrita venha a me condenar e as brincadeiras me enterrem.
Talvez eu simplesmente não me importe.
Talvez eu simplesmente não queira dar minha alma a fim de que, no impacto, ela não sinta nada.
Na verdade eu quero é marcá-la, para que ela não esqueça que não se persiste no erro. Eu quero calejá-la, para que , da próxima vez, EU não sinta nada.
Talvez eu já nem sinta mais... O Fogo queimar.
Talvez eu só queira brincar... De sonhar(?)

Como é bom mentir em cima de verdades;
Meias verdades;
Quase-verdades;
Inteiras verdades, um dia.


Seja o que for, que apenas seja.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

One more day...


Hoje eu acordei e...
Cara, como eu estava cansada.
Tudo junto parecia uma coisa só, e essa coisa só era irritação/raiva/tédio...
Aparentemente!
Depois eu descobri que era fome...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Uma tragédia pessoal.

E agora? Qual é o próximo passo? Qual a nova tática para atingir alguém?
Qual o próximo tiro, a próxima vítima, o novo saco de piadas ou a próxima mentira?

É uma tragédia grega mal feita, com péssimos atores...daqueles de baixo-sub escalão.
É uma tentativa de farsa vicentina que não passa de três linhas mal escritas, pois a pressa e a vontade de impressionar alguém não te deixam escrevê-la com maior perfeição...Como a última que você escreveu, que por sinal, foi quase perfeita.
Quase!
A questão é que os seus personagens criaram vida prórpia, como você não previa... E por um momento me tornei protagonista, me contrapondo a ti, antagonista...que vulgarmente chamam de vilão. Eu particularmente...chamaria o antagonista de um desajustado social, que não se arranja em canto algum e não passa de um "não sei".
Não é mera coincidência, ou erro eu utilizar o antagonista e autor na mesma pessoa. É apenas uma verdade inconveniente.
Uma verdade bem escrita, por mim, agora.

Ah, escreva um pouco melhor seus próximos atos...Esperarei para ler cada um ávidamente, se eu tiver tempo e disponibilidade para isso, é cláro. (o que eu duvido muito que eu vá ter...)

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Incondicional.

"Incondicional amor.
Incondicional se for um querer total,
um amor real...Incondicional."
(Pela voz de Marcus Menna.)


E... Já que eu ando comemorando tanto a volta de um tal senso crítico ou, simplesmente, o início de uma, quem sabe sanidade mental.... Que tal falarmos de amor de uma forma sã?
Mas...Será que existe uma forma de falarmos disso se não tomados pela insanidade?
Como falar de amor sem amar, sem querer?
Palpitações, saltitações e suor para você são sinônimos de estar são?
Ah, que coisa de gente desequilibrado! Digo isso, porque sempre me reconheci nessas palavras...Ou seja, me reconheço como desequilibrada em potencial! (pelo menos costumava ser assim).
Ultimamente estive pensando em amor. Em algo sólido, e não em palavras vazias ou palavras cheias de um sonho, apenas sonho.
A imagem que eu tenho é tão doce, tão sólida. Imagine, uns 20 (pra mais) anos do lado de uma mesma pessoa, histórias, filhos, casa cheia, uma mãozinha pequena te acordando durante à noite dizendo que não consegue dormir porque existe um monstro embaixo da cama...
É tanta coisa, é tudo tão longe... Tão idealizado.
É olhar para a pessoa, e sentir firmeza. Sentir que ela pulsa em você, e não para você.
Olhar nos olhos, e poder ver seus filhos, netos e uns fios brancos. Ver também algumas brigas, afinal de contas, nada é perfeito, mas para nos lapidarmos se faz necessário algum tipo de atrito.
É viver dia após dia e só adquirir mais a certeza de que nada poderia ter sido melhor e, que quando o fim da matéria chegasse, o amor perdurasse... Como há de ser.

"E ainda tenho a eternidade pra gente caminhar..."

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Somos todos assassinos.

Dia após dia, semana após semana cometemos pequenos e grandes assassinatos.
Li ago semelhante nas palavras de Luís Fernando Emediato e não pude discordar. Me arrisquei, em até, complementar, dizendo...divagando que não somos apenas assassinos, mas somos também os políticos corruptos, somos a testemunha que omite a verdade, somos o descaso, somos a cara daquilo que tanto criticamos, somos o nosso mundo.
Onde já se viu criticarmos tanto uma situação, um país no qual somos dele maioria?
A maioria critica, a maioria vence.
Neste caso, digo, a maioria perde!
Somos todos perdedores! Perdedores da razão, do bom senso e da ação.
Todos os dias perdemos a chance de agir diferente, de fazer algo por alguém...Ou simplesmente por nós mesmos, ou até mesmo...Pela sensação de estar "mudando o mundo" com uma mudança individual e quase imperceptível (eu disse quase).
Todas as semanas perdemos um pouco mais da nossa sensibilidade, emersos no conformismo coletivo... A tendência é que, como somos muito solidários, nos conformemos também.

Tenho meu direito de ficar calada, e tudo o que eu disser será usado contra mim no tribunal.

sábado, 19 de setembro de 2009

Pieces

"I don't believe It makes me real..."

Até quando eu vou olhar pro lado e ver pessoas corrompidas ou corruptíveis?
Até quando continuaremos a ser tão sugestionáveis? Tão maleáveis?
Até quando essa indiferença?
Os números crescem, pessoas sofrem enquanto outras se divertem ou se saciam seguindo seus instintos hediondos. Digo hediondos, pois desconheço um outro termo existente na língua portuguesa que seja cabível para designar um ato tão chulo.
Ver isso TODOS OS DIAS não me envergonha, mas me enoja, me torna impotente e revoltada com uma sociedade tão conformada, que fecha os olhos e lava as mãos perante crimes e abusos que são absurdos, mas a frequência com a qual ocorrem tem nos feito perder toda a sensibilidade e o juízo da significância e dor que tais atos podem acarretar em alguém.
Onde estão as malditas autoridades (in)competentes? Devem estar abusando de alguém também.
Onde estão as leis descentes? Onde estão nossos direitos?
Flagrante? Será preciso um fato consumado, o sofrimento de alguém para condenar um desgraçado por aí?
Cara, a cada dia que passa eu sinto menos vontade de colocar filhos nesse mundo. Vejo em mim, uma futura mulher neurótica cheia de pânico que sequer deixa o filho ir ao parquinho sem o monitorar de perto (bem de perto).
Cara, a cada dia que se passa esse mundo me enoja mais.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

A primeira vez que fumei maconha...

E então, você lembra o que você disse ontem?
"Nãaion..."
Ahn...E você vai lembrar disso amanhã?
"Ahn..."

(...)
E eu descobri que a melhor coisa a se fazer é rir!
Rir de desespero mesmo. De tão cômica que é a situação.
Rir até tu parecer um usuário assíduo de "cannabis sativa".
E eu sei, que daqui uns 10 anos eu vou lembrar e continuar rindo muuuito de tudo isso.
"Hey best, lembra daquele dia? NÁAAASSAAAAA ÊEEEEMY..."

Desgraça pouca é bobagem!
(risos)

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Lua e Flor

"Eu amava como amava um pescador
Que se encanta mais com o peixe do que com o mar.
Eu amava como jamais poderia, se soubesse, como te contar."

E no fim das contas eu só quero descobrir a verdade.
Só quero saber que diabos é tudo isso que acontece dentro de mim.
A minha única certeza agora, é de que não é, e nunca foi, nada do que eu imaginei, nada do que eu pude descrever ou tentar explicar.
Não que seja inexplicável, de tão intenso.
Talvez seja muito explicável, talvez até corriqueiro. Porém, me faltam as palavras, me falta o discernimento adequado para expô-las.
E no fim das contas eu só sei que é mais uma fase.
Só quero saber em que momento perdi minha sanidade e passei a me contradizer;
Passei a sorrir e aceitar coisas que eu anteriormente eu criticaria.
Passei a engolir seco situações, talvez para agradar, talvez para acreditar na "perfeição do momento".
Passei a me enganar, tentando talvez acreditar, que as coisas aconteceriam não como deveriam acontecer, mas como eu julgava que elas ficariam melhores.
Passei a me enganar, me enganar, e de tanto me enganar, acreditei, caí...
Levantei.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

What goes around...


(...) Comes around.
I thought I told ya!?
You should know that!
Yeah."

One ticket to paradise, please?
Touché!

sábado, 5 de setembro de 2009

Everybody needs that person...

who can be true to you."

O fato é o seguinte:
"Dane-se nada, dane-se tudo."
Sabe aquele tapinha nas costas cheio de boas intenções?
Sabe aquele sorriso pagode que te faz corar?
Sabe aquelas palavras esperançosas que te fazem dormir bem à noite?
É, eu sei.
Dessa vez não descobri, apenas relembrei de que na vida as coisas sempre precisam de um equilíbrio...
As coisas nunca ficam malucas todas de uma vez, e se para você ficam...é porque não olhastes para todos os lados.
Agora eu só preciso segurar aquela imensa vontade de gritar e poder dizer o quanto eu precisava disso tudo. O quanto eu desejava por uma luz no fim do túnel.
Não se pode ter tudo, mas também nada me falta. Nada relevante, exceto a matemática (seja ela a soma de corações ou divisão de pensamentos).
Eu consegui tirar aquele peso das costas, consegui um sorriso espontâneo, e conseguirei um abraço. Isso é uma promessa.
O resto da promessa não cabe aqui. Aqui só cabem palavras confusas em minhas confusões sentimentais e bobas de uma pessoa em eterna transição.
Transição essa que jamais me impedirá de agir, de progredir.

Well, dane-se o mundo quando alguém sorri.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Once upon a time...

Às vezes a vontade é de rir.
Rir sem parar, rir de desesperar, gritar.
Às vezes a vontade é de chorar...
Chorar sem pensar, suspirar, soluçar.
Mas para quê tudo isso?
De que adiantaria? não mudaria nada.
É preferível rir, para fazer alguém rir com você, do que chorar e alguém entristecer.
Com o mundo emerso em tantos problemas...Com tantas coisas maiores para se preocupar...
Você ainda prefere se lastimar, sabe?
Você ainda prefere ser egoísta no primeiro momento que se encontra só em um quarto.
Fechada entre quatro paredes você não precisa fingir sorrisos, ou segurar lágrimas.
Mas, eu não quero chorar, sabe? Eu só quero respirar fundo e fazer mais alguma loucura.
Quero me gabar por ser forte mesmo com meia dúzia de lágrimas salgadas escorrendo no rosto e que irão escorrer por diversas vezes, por diversos motivos.
Quero fazer mais alguma coisa insana, falar mais alguma palavra errada, que agora é errada...mas já foi certa.
Quero atuar nesse palco da minha melhor forma, e dessa vez vou ter de arrancar a minha melhor máscara, afinal de contas eu quero o palpável, eu quero o real.
Não quero imagens distorcidas, lembranças alteráveis e cinzas.
Eu quero tudo tão real quanto o irreal.
Que de tão irreal, vai te fazer sentir real.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Poeira estelar.

"Nem a expansão do cosmos é capaz de nos separar.
Nossa atração é superior.
Se tudo se afasta primeiro pra depois novamente se juntar
Nosso destino não podia ser melhor..."
Obrigada por esse trecho, Gerin... Todas as vezes que canto essa música ela me faz rir. ^^

Já pararam pra pensar na montanha-russa que nossas vidas é ou pode ser?
Deus do céu! Como somos seres mutantes!
Não que isso seja ruim, não não!
É bom...é incrível e assustador ao mesmo tempo...
Mudanças, inovações, criatividade! Sim...esses são temas e experiências que merecem ser experimentadas por todos nós. Somos humanos, então...façamos jus à esse título.
Sejamos "com rasuras, sem frescuras, sem medo de errar", visto que...na maioria das vezes, "erramos com aquela imensa vontade de acertar".

Somos tão mutantes...
Que de um dia egoísta, no qual queremos apenas nossa satisfação pessoal custe o que custar (até mesmo que custe muito mais do que você esperava...)
Você passa a querer apenas a felicidade de alguén(s).
E, se eu soubesse que ver os outros felizes fosse tão bom assim, eu teria começado com tudo isso antes.
Se eu soubesse que um sorriso no rosto de outra pessoa fizesse tão mais efeito em mim.
Que o palpitar de outro coração bateria assim dentro do meu peito...
E que eu ansearia pela mesma ansiedade dos outros...
Ah, eu teria começado isso muito antes. Antes mesmo de mim.
Não haveria tempo pra decepções...a não ser que fosse a decepção do outro.
Assim, eu choraria as lágrimas que o outro precisa derramar,
Aconselharia, afinal de contas...foi disso que eu precisei, foi isso que eu obtive...E agora é isso que eu posso dar.
Eu posso quase tudo.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

C'est la vie.


E uma hora todos descobrimos que somos impulsionados a caminhar.
Não adianta pregar os pés no chão. Se for pra você prosseguir, você vai.
E todos fazemos escolhas, cláro!
Boas ou ruins, fazemos nossas escolhas, querendo fazer o melhor, cláro!
E mesmo que façamos escolhas ruins, são escolhas... e de alguma forma você há de caminhar (com os erros, mas há de caminhar).
Erre sim, mas erre com uma imensa vontade de acertar. Pois é isso que vai te fazer levantar mais uma vez.
Mais fortificado, mais coerente e coeso. Talvez um pouco mais insano, mas é preciso descontrair um pouco (sem rir de tudo, que é desespero...digo isso, mas não o faço.).
Experimente lavar o rosto que já está seco daquilo que secou, se olhar no espelho e dizer:
"Pois é...Você é uma quase-mulher forte...Não como todos disseram, mas como eu mesma me descobri, paguei pra ver."
Paguei pra ver e pagaria denovo, cada vez mais quando repenso vejo o quanto cresci, o quanto amadureci, e o quanto mutante sou...
Não apenas eu, mas o ser humano tem uma capacidade incrível de mutar seus sentimentos volúveis. (apenas os volúveis)
Paixões vêm e vão, amores ficam.
Amores-amigos, amores-irmãos, amores-colegas e qualquer outra coisa amor atrativa que cruze meu caminho.
Na verdade, de qualquer forma, estamos sempre caminhando...
E cantando, rindo e chorando.Amando.
E é daquele jeitinho desengonçado que só eu sei caminhar.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Something inside.

"It’s the first thing you see as you open your eyes
The last thing you say as your saying goodbye
Something inside you is crying and driving you on
'Cause if you hadn't found me
I would have found you
I would have found you"

E agora, algo mais leve te guia pra frente.
te guia, dizendo que de alguma forma, tudo vai ficar bem.
Independente do que digam: "Desista!" ou, "Prossiga"... Você só sabe que tudo vai ficar bem.
E mesmo que não seja tudo, algo bom restará para encobrir as coisas ruins (como conversas de madrugada induzidas por baixo teor alcoólico a fim de que você possa abrir seu coração, sua vida, e falar de seus hormônios para alguém.)
Eu poderia surtar agora, de felicidade ou de inquietação. Mas não dá.
Depois de tanta inquietação, minha mente está calma, clara e forte como nunca esteve antes, e ela só pede que eu a alimente cada vez mais com meus desejos e sonhos. E, sendo eles concretizáveis ou não, eles são meus. E ninguém os tira de mim, não agora.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Imperecível.

Imagine um cego.
Agora imagine esse mesmo cego no meio de um tiroteio no meio da "13 de maio". Certo?
Ok, Agora imagine um, literalmente, filho-da-puta.
Agora imagine esse mesmo, literalmente, filho-da-puta em um dia dos pais.
Trágico, não?
Na verdade, ambas as situações explicam uma sensação comum.
A de estar perdido. Como se o mundo estivesse caindo em cima de você e sequer desse tempo para passar aquele "filminho" onde você revê todos os seus atos de corpo presente (ou não).
Estar perdido, estar maluco. Não estou confusa, apenas insana.
Pra variar, eu penso demais, e isso nunca é bom. Pra mim, óbviamente...
E nos últimos dias, talvez três meses...pensar demais não tenha feito mal apenas para mim.
Que seja. Eu fiz a minha escolha, todos fizemos nossas escolhas.
Bom...como eu posso dizer?
Por mais que pensar demais, falando de maneira egoística, não faça tanto bem pra mim...Não me arrependo da minha escolha para mim.
Me arrependo da minha escolha para os outros, pelo sentir, pelo chorar, pela frustração dos outros.
Mas que seja, leitor...Isso talvez seja pessoal demais para você entender. (ou não)

Agora eu só me pergunto... Se tudo que vai volta (pensemos no princípio de ação e reação), quando é que isso volta pra mim? (Se é que já não está voltando...)

Boa(Boa?) noite.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

People = Shit.

(mentira, nem todas).
Sabia que as pessoas, nós, possuímos um grande capacidade de viver, ou melhor, meter o bedelho na vida dos outros?
Pois é! "os outros samos" mestres em dar palpites e fazer comentários sobre um cotidiano não pertencente à eles (nós). Já parou pra pensar?
Às vezes nos privamos de tantas coisas em função dos outros, da opinião...dos comentários.
Acabamos por perder a naturalidade, deixamos de fazer algo que só compete à nós.
Honestamente? Pura falta de personalidade, e até mesmo uma prova de que " a gente samos" fracos, influenciáveis e...artificiais(?).
"Minha fiilha! as pessoas falam! Logo, logo jaá vão estar comentando!"
Pooois que comeentem!
Os outros não vivem minha vida, não pagam minhas contas e nem vão responder na justiça por mim. O dia em que fizerem isso por mim, quem sabe eu não comece a repensar meus conceitos.
O fato é que censuramos tanto outras pessoas que vivem em sua plenitude, que esquecemos de nós mesmos, reclusos em nossa mania de padrões sociais. Talvez esses "anormais" acabem vivendo muito "mais" do que nós "normais".

Quer alguém para pagar sua contas?

sábado, 1 de agosto de 2009

And it's time to...

Músicas nunca são o suficiente...

"We live and we learn to take one step at a time
There's no need to rush
It's like learning to fly, or falling in love
It's gonna happen when it's supposed to happen
That we find the reasons to why
One step at a time."

(É gay, mas é Jordin Sparks, haeouihaeuihae)

E agora...eu desconsidero a música e digo: "It's time to rush."
É, veremos.
(mais confiante? HAHA! não é impressão sua ;D )

terça-feira, 28 de julho de 2009

All I want is Everything.

"...That I don't know how to say."
Na verdade eu posso exatamente saber o que dizer,
só que uma pequena coisinha chamada medo da possível verdade que não se quer é maior.
De qualquer forma, a realidade uma hora ou outra sempre aparece por mais que adiemos esse aparecimento.

Sabe aquelas pessoas fodas que tão contigo sempre?
Aqueles anjos de asas invisíveis e tão falhos quanto você (mas que disfarçam melhor)que tu chama de amigos?
Então. Eu descobri que os tenho.
Descobri nada! Eu já sabia, só gosto de reforçar isso...talvez como uma auto-afirmação. Porém eu prefiro dizer que isso é mais uma declaração de amor. :D
Amor por vocês.
Vocês, amigos que me apóiam nas ilusões e nos planos concretos. É bom poder confiar em vocês, é bom desabafar e ouvir palavras de incentivo como "Vai lá Mari!" ou "Chega chegando cara!" Ou..."Eu acredito que você consegue"....ou..."Faz o que você gosta".
Independente do assunto, da diretriz...vocês me apóiam, e discordam quando necessário. Obrigada por isso também.
Ah, obrigada também pelas conversas infinitas sobre coisas que deixariam os cabelos dos nossos pais em pé, mas talvez até os tranquilizariam...talvez uma prova de maturidade.
Agora Vocês, amigos de bom dia e boa tarde. Por mais que tal laço não pareça ou seja realmente estreito (amiiigo, amiiigo), é bom poder compartilhar um bom dia ou boa tarde, um cumprimento sem maiores cobranças...Mas que de certa forma é animador, ou simplesmente "completador".
E...Vocês, amigos de nove vezes! Que estão sempre lá...prontos para dar umas risadas das saias justas pelas quais eu mesma me coloco com uma certa graaaande periodicidade, e que por mais que isso pareça informal, também me faz mais completa...mais viva, digamos assim.

Ah, e você, amigo leitor.
Tu pode até se enquadrar em um destes casos, não tem problema. Mas você pode também não se enquadrar em nenhum alí descrito e saber da importância que tem para mim.
Um caso novo, talvez ;D
Obrigada.

domingo, 26 de julho de 2009

Shine Your Light...

É, o Show do Roupa Nova foi incrívelmente bom. :D
Perdi a chance de uma baqueta, uma palheta, e nem um maldito adesivo eu consegui pegar estando a menos de meio matro do palco.
Whatever... foi bom de qualquer forma.
Não é todo dia que a gente escuta Roupa Nova cantando "Sweet Child o'mine". Ou é?
oo'

Senti falta dessa música ontem.

"Os corações não são iguais - Roupa Nova"
"Você tem o tempo que quiser
De você aceito o que vier
Menos solidão
Me promete tudo outra vez
Na esperança louca de um talvez
Me basta a ilusão

Só te peço o brilho de um luar
Eu só quero um sonho pra sonhar
Um lugar pra mim
Eu só quero um tema pra viver
Versos de um poema pra dizer
Que eu te aceito assim

O que eu sei é que jamais vou te esquecer
Eu me agarro nessas fantasias pra sobreviver
Eu não sei se estou vivendo de emoção
Mas invento você todo dia pro meu coração

Deixe saudade e nada mais
Por que é que os corações não são iguais
Diga que um dia vai voltar
Pra que eu passe minha vida inteira me enganando
Pra que eu passe minha vida inteira te esperando..."

terça-feira, 21 de julho de 2009

In the air of the night...

Canções de amor parecem significar tanto...
Canções de amor parecem tão vazias.
Tantas palavras, tão pouco sentimento.
Talvez até muito sentimento, apenas não há o jeito "certo" de o exprimir.
Ficar "sem ar" pra você pode ser doença, pro amigão alí é estar amando.
Se teu coração bate demais, se prepara que é enfarte? Relaxa, pode ser mais uma canção de amor clichê para dizer o bendito "eu amo você".
Já parou pra pensar? "Te amo" virou bom dia (boa tarde, noite...hm, noite...) Realmente? Ou será que o ser humano está evoluindo tanto à ponto de amar tanto e tão indistintamente assim?
Talvez um...talvez outro.
Acredite no que você precisar nesse momento, apegue-se ao que você quizer... Até mesmo a universalidade do termo "Amor" (não banalizado, talvez.), mesmo que você saiba que a realidade não é bem assim, deixe isto te fazer feliz por 5 segundos...
Depois encare a realidade, levante do tombo, sorria e seja feliz.
Eu prefiro continuar acreditando que um termo pode designar diferentes intensidades e momentos. Mas ainda é preferível pensar bem no que dizer, e o quê se quer dizer... para evitarmos a banalização, a futilidade.
Não só do amor... Mas a banalização de diversos outros sentimentos e ações precedidas das palavras perdidas.

"Não, o mundo não pára".

...E, tudo o que eu já disse até hoje...Foi e é real, não me arrependo de na-da.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

"Sweet Caress...

The ocean Blue..."




Dificuldade ao respirar,
Coração acelerar, quando no relógio, a hora exata marcar.
É idiota e intuitivo. É crença no óbvio, e negativismo auto-destrutivo.
"Eu posso te dizer porque isso está acontecendo,
Algo está me puxando pra você..." (Izzy Stradlin)
Pode existir uma explicação tão simples e ao mesmo tempo tão complexa?
(heaouiaehuiaehuae :B)
Simples pela "objetividade não clara" do significado como um todo.
Complexa por ao mesmo tempo que se tenta explicar o porquê de algo...você não sabe "o quÊ" está fazendo "o algo".
(Tá, chega de músicas Rárderróques do Izzy...)
Falando um pouco de mim agora (não que eu não tenha dito nada até agora),
temo pelo fim das férias. Descobri que tenho uma nova paixão...
nunca imaginei que dormir fosse tão bom (HÁA! haiouehuaeh )...Não só pelo fato de poder me entregar completamente àos meus devaneios individuais egocêntricos (sonhar), mas também por poder relaxar, esquecer tudo aquilo que pode vir a me preocupar (maldita matemática) e, como dito, me entregar ao prazer do egocentrismo.
Talvez um egocentrismo possível e natural.
Agora vem o pessimismo, que , aliás...está em baixa. Ah meu péssimo... Dessa vez você perdeu, e "EU", o meu ego, minha vontade, meu não-medo de tentar ganhou.
Talvez (é, sim) esta seja a chave desta vez. E ela está aqui, na minha mão... esperando abrir aquela porta.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Maré vazante.



Não, eu não vou postar a música "maré vazante" aqui.
O propósito, na verdade, é outro.
É o de ser, viver essa tal maré vazante.
Eu, honestamente andei conversando comigo mesma (é, eu converso comigo mesma) e cheguei a conclusão de que represar, não vai remediar.
O fato é que viver as coisas inteiras, por completo... São sempre melhores, são mais verdadeiras!
Se quero amar, vou amar por completo para que não me reste tempo de odiar nada nem ninguém.
Não coloque panos quentes no teu sentimento e nem tente minimizar aquilo que sente, para que se for preciso sofrer depois, você aparente (apenas aparente) sofrer menos.
E se precisar sofrer...Vou sofrer por completo também, não sofrer demais à ponto de me tornar uma vítima, um mártir...
Mas amar, sofrer, rir, e chorar na medida certa para dizer que vivi. E que vivo muito bem, obrigada.
Não torne nada clichê. Apenas saiba que uma mesma palavra, pode significar tantas coisas, em tantos momentos...e em diversas intensidades. Portanto, não se reprima ao dizer e nem se martirize depois de dito, afinal de contas foi e é tudo real, aconteceu...Senão não seria fato.
Mas...o que é fato de verdade (sim, eu adoro a palavra fato...ela é forte e objetiva) é que no fim de tudo aquilo que denominamos...sentimentos, oscilações temperamentais, crises comportamentais, e mais alguns "ais" (literalmente)...Descobrimos que vai ser preciso viver.
Mas, poxa vida, que diabos é viver?
Viver meu caro... pode ser algo para mim, alguém para você ou nada para ninguém.
E, assim como tudo... Pode se tornar relativo. Mas não é. (ha-há!)
Viver é simplesmente agir. Atuar da sua melhor forma em um palco esférico-geóide azulado denominado Terra, onde assim como você...atuarão diversos outros seres. Alguns muito iguais, outros muito diferentes, E alguns outros , de tão mascarados se tornam indecifráveis... Pelo menos perante a ti que também é mais um ator.
Pois então, cabe apenas a mim, a ti...Protagonizar uma vida, a tua vida, a fim de simplesmente chegar a um ponto onde você ouve "CORTA!"(ou pseudo-fim) e dizer :"Até agora, uma coisa eu aprendi. Mais do que amar, sofrer...Aprendi a viver."

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Aquela coisinha fofinha...

Chamada amizade.
Talvez, dessa vez, esse post tenha uma dona.
Este talvez é só mais um sim.

Sabe aquelas coisinhas bonitinhas que existem dentro de você?
Aquele sentimento todo de apoio, de conversa mole, de conversa boa, de conversa porcaria e de planos futuros? Onde a gente trilha uma vida pseudo-perfeita e acha que tudo vai sair daquele jeito? Uns shows de hard rock, alguns ídolos, e alguma família bem filha da puta de boa (a expressão é carregada assim mesmo).
As vezes perdemos a noção de como nossas vidas mudam e a gente se afasta, muda os planos, os shows, o futuro...
Pedemos amigos, seguimos nossos caminhos e talvez nunca nos lembramos de algumas pessoas.
Mas eu digo, convicta, que os meus sentimentos não se afastaram um só dia.
Que no mundo doente de hoje, fazemos parte da pequena porção terrena que não foi acometida pelo mal mental do ser humano acomodado e fútil.
Que o meu orgulho de usar o termo "amiga" existe até hoje. E que o meu amor de tão "irmão" já nem é mais palpável. É sutil e fluídico.
Eu vou amar não só até o meu corpo físico se deteriorar. Não até a minha alma rejeitar o sentimento, e nem quando o amor virar uma farsa.
Não vai ser só até o fim, o meu fim. Ele não vai existir, e tudo aquilo que coexiste dentro de mim harmonicamente perdurará...Incluindo a parte que te toca, aqui.
Eu vou lhe querer bem para sempre, mesmo desconhecendo o quanto a palavra sempre significa imensa, eterna, sempre.

E eu ainda quero aquele abraço e aquela conversa.
E eu quero que você acredite que tudo isso é verdade.
Eu quero que você aguente firme, pois eu sei do quando você é capaz, o quanto você é forte, o quanto você é original e simplesmente você.

Por mais clichê que isso te pareça, eu te amo, Luana. E eu sei bem disso.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Heartache.

"Você não deve me fazer sofrer, só pra provar que eu não sou de nada.
Mas se quizer eu deixo, porque mereço..."

Tá, pode parecer meio broxante, mas é uma música e eu achei um tanto quanto engraçada.
ahoieuhaduihe.
Tô numa fase eclética que pode me levar à sérios disturbios mentais, que por sinal, não vem ao caso no momento presente.
Bem, as férias chegaram... Aquele período bom da tua vida, na qual você reflete, reflete, reflete e cansa de refletir.
No meu caso vai ser...Dormir, dormir, dormir. Pelo menos algo bom para se fazer, talvez algo bom ou melancólico surja para se pensar, pensar e pensar.
"Um toque de sonhar sozinho, te leva à qualquer direção".(Luis Melodia) Não, não me levam a qualquer direção. Os sonhos, por mais diferentes que se iniciem vão todos parar no mesmo "lugar-comum", nele mesmo.
"As ilusões, fartas."(Luis Melodia) Não as minhas. Estão apenas à flor da pele, se regozijando com o pouco que o mundo lhes oferece.
"Quem vai dizer ao coração que a paixão não é loucura?"(Oswaldo Montenegro). Ninguém. Ninguém ou nada irá dizer, elas são uma só aqui. Duas vozes que ecoam ao mesmo tempo e não me tornam responsável por mim, por mais ciente que eu esteja ou pareça estar.
"Sometimes, I get so tense, 'cause I can't speed up the time." Talvez. Dessa vez não veja como sim. Só como um talvez. Assim como o tempo é o senhor da razão... é o inimigo da loucura. Da minha loucura.
Talvez eu só seja isso mesmo.

:)

sábado, 20 de junho de 2009

Mais descobertas...

Eu descobri que o mundo não para de girar,
e que nós nunca sairemos do lugar enquanto o conformismo perdurar.
Descobri que é preciso crescer,
As barreiras quebrar, vencer,
A fim de simplesmente ser...
Ser, estar, permanecer, ficar, continuar...
Nunca parar, mesmo que quando no fim a evolução não pareceu chegar.
É como querer uma coisa,
conseguir outra e... depois descobrir que aquilo que consegui me realiza mais do que algo que eu tanto quis.
É preciso continuar.
E mais. Eu descobri que é preciso amar.
Amar a cor, a música, a voz. Amar o silêncio, o barulho. Amar o amigo, o ciúme e o inimigo.
Amar a dor, o amor, amar a fim de simplesmente amar.
Sem compromisso, sem cobrança. Apenas você e o seu dom de amar e desabar...
Desabar em lágrimas, em letras, em canto.


Agora "o mundo inteiro é meu" e só você pode me ouvir.

domingo, 14 de junho de 2009

'cause I need to move...



Se eu estive dormindo, saiba que eu acordei um pouco mais leve. Talvez menos paradoxal, mas ainda sou adepta de tal figura de linguagem (de pensamento pra mim).
Sabe quando você resolve tentar pensar em nada e você descobre o quão impossível isso é?
FA-TO. É impossível pensar em nada, seja por conta dos nematelmintos, pelos "capitães da areia" do companheiro Jorge Amado, pelos Parameciuns e cachecóis, pelo frio, exercícios, vontade de comer, vontade de emagrecer...Enfim, quando não é uma coisa, é outra! Até um aterramente dos próprios pés no barro eu fiz...Porque...sabe como é né? A Física me persegue....
Enfim, eu andei pensando no quando a minha criticidade anda em baixa nestes últimos momentos, no quando eu dei vazão à outros pensamentos e esqueci o ser humano crítico que há em mim.
Não é indiferença... é individualismo excessivo, no qual eu me fecho e sofro sozinha, penso sozinha e esqueço sozinha.
Sentimentos fúteis, sentimentos verdadeiros, sentimentos que vivo agora para que eu possa criticar mais tarde como a dona da razão, Típico do meu Pseudo Realismo Romântico.
"Mal do século" precedido por "Aprendizado do Século" e terminando em um chá como "criancisse do século"...Típico...
Mas vamos ver isso direito...


"Desculpe estranho, eu voltei mais puro do céu."

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Tea & toast and honey...



"E o frio faz calor dentro de mim..."

E enfim você acorda e resolve mandar tudo para aquele lugar. :)
E, não, não pense em besteiras, o "aquele lugar" é o lugar de onde elas vieram. haha.
Você descobre que opiniões importam sim, fato, mas as suas convicções... por mais que você vá descobrir depois que não eram tão convictas, vão fazer você crescer muiito.
Eu resolvi testar os meus limites nesses últimos tempos, digo, talvez testar aquilo que está adormecido esperando para despertar. Não como um nirvana, algo brusco e devastador... mas algo sutil e cauteloso, onde cada parte de mim acorda aos poucos.
Resolvi descobrir até aonde as borboletas vão continuar no meu estômago, me dando aquela sensação maravilhosa de explosão sentimeltal e ansiedade. Espero que elas continuem por um bom tempo, parece que elas gostaram do meu metabolismo divertido.
Responder perguntas com outras perguntas nunca foi tão divertido. Não digo divertido ao ponto onde "rir de tudo é desespero"... Só ao ponto de rir para ser saudável, feliz, mas no meu caso...nada sutil (risos...fato).
Resolvi descobrir o sentido de músicas sem sentido, e eu realmente descobri...que elas podem não fazer sentido, provocar sentimentos...e podem simplesmente te fazer lembrar pelo simples fato de lembrar... Como é bom lembrar...
Resolvi por à teste os meu sentimentos egocêntricos, e ser simplesmente mais autoconfiante. Nada me pertence, apenas cativo e cultivo.
Resolvi enfim, aceitar a teoria do Playmobil : "Nada que possa acontecer irá me tirar esse soriso do rosto"
(um sorriso bobo, é cláro).
No more Doubts?

sexta-feira, 29 de maio de 2009

This never happ...



"Now I see, This is the way I supposed to be..."

Tá certo, tá certo. A música é um veículo de comunicação entre almas.
Um veículo sublime, digamos assim.
Ultimamente viver sem ela tem se tornado impossível para mim, assim como impedir a impulsividade natural existente bem aqui.
Quando pensamos, atraímos ou traímos, depende é do ponto de vista (ou do pensamento).
Não sei bem o que tenho feito. Se atraí, se me traí, ou se eu só continuo "o pseudo-natural-sensual".
Só sei que a felicidade "têm" parecido assim, tão perto.
E essa felicidade no plural foi proposital sim. Não é uma felicidade abstrata, comum, que as pessoas costumeiramente definem. É um estar, é um ficar, é um olhar.
É um conjunto de fatores (por isso o "têm"), fatores que trazem a felicidade. (ou pelo menos pseudo felicidade)
Foi paradoxal esta última frase, mas a vida é paradoxal.
A música, sim... aquelas músicas, desde "Alguém que te faz tananã" até um Paul McCartney melancólico fazem você rir sozinha ou querer escrever bobagens em um "desabafador online". Talvez para expor algo que eu lembro ter dito que não iria "escancarar", mas como dito, sou muito paradoxal (até demais).

domingo, 24 de maio de 2009

If I could change the world...

Frio na barriga.
Borboletas no estômago.
Whatever, ambos se confundem e eu descubro que não é nem fome e nem doença.
A segunda geração do romantismo definiria como "mal do século", eu defino como o "aprendizado do século", ou talvez seja TPM (tensão pós menstruação, visto que a pré é acompanhada de choro).
Dormir e acordar risonha é coisa de quem dorme com o bozo pra você, certo?
Vou te contar que eu descobri que não é.
Basta dormir sozinha uma noite bem dormida, assim você descobre o quanto rir dos pseudo-problemas faz bem.
Pense nas amizades, aventuras e desventuras, naquelas coisas cabeludas que você deixou de fazer e até mesmo nas que você fez, mas tente não se arrepender, para que a reflexão não se torne um martírio.
Basta você minimizar os teus problemas em relação aos do mundo (que por sinal são muitos), e você vai ver o quanto se desespera por "tão pouco".
É fácil pra mim falar, fato. Mas a parte mais difícil, que seria assumir, eu já estou fazendo.


(perdão pela falta de criatividade e temática, estou realmente cuspindo as coisas na internet. Logo melhoro isso)

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Where is my mind?

Há sempre uma escolha que você pode fazer,
sempre um caminho pra você seguir quando tudo parece perdido.
Quando as luzes se apagam, só me resta gritar
Não poder enxergar, sequer falar, pensar...
posso pensar, só não consigo compreender
Onde perdi seu eu em mim, meu "eu" em você.
E se ele nunca existiu, por quê começou?
É possível relutar, mas acabou?
Quanto ao caminho, não o sigo. Deixo que ele, perigoso e atrativo me envolva.
A ignorância me fará inocente perante meus erros.
Esta convicção dos erros, me fará culpada perante meu coração.



A informação na tua cabeça é tanta que não pode ser processada.
Você finge que me entende para acompanhar o raciocínio, mas a verdade pode ser tão dura, caro amigo, quanto os dias que você tem levado.
Acho que quero alguns sucos de fruta.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Straight from the heart

"I'll see you on the street some other time
And all our words would just fall outta line"...
Raiva para quê, meu caro?
Se for para fazer você dar risada depois...saiba que a irritação faz mal ao fígado, e esse mal talvez não compense com a risada que virá depois (se é que ela virá).
Somos seres humanos imperfeitos, egoístas, egocêntricos e tudo mais que estiver relacionado a "amor-próprio-fútil-auto-destrutivo". Alguns seres humanos se encontram em estágio mais sublimado, usando da caridade e descobrindo o real significado do perdão e amor-irmão. Já outros se encontram na mesmice que já estamos acostumados e na lama acomodados, e convenhamos, não há nada pra ser feito por eles (ou nós) afinal de contas a reforma íntima é individual.
E, atualmente a pergunta da vez é "Raiva para quê?" Pra quê o rancor? o encômodo com a simples presença ou idéia (com acento) dela.
Sim, logo nós...seres humanos "perfeitos" que não hesitamos em apontar o grande e longo dedo nos defeitos e falhas alheias e encheeeeer a boca para exaltar as nossas pequeninas "boas ações" ou "atuações" sentindo raiva em relação aos outros? Pois é meu caro (ou minha cara), sente-se bem?
Supondo que pensamento é ação, já paramos para pensar o quão mal fizemos aos outros?
De quê adianta falar de um ladrão, se cobiçamos e invejamos o que os outros possuem?
De quê adianta condenar algum maledicente, se com isso você se contradiz?
De quê adianta repudiar o estupro se estupramos e traímos maridos e mulheres apenas com o vil olhar? (este exemplo é plagiado, permita-me utilizá-lo)
É simples criticar e condenar aos outros, é fácil apontar o dedo indicador à alguém...
Mas lembre-se, que enquanto você aponta um dedo para este alguém, existem outros três dedos voltados para você.


Estou bem, obrigada.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Flying.

Hoje mais segura, quem sabe mais sã.
Posso organizar minhas idéias com mais calma e quem sabe transferir para você caro leitor (digo amigo?) a minha real intenção, mesmo sabendo que a interpretação é uma coisa individual.
Mas enfim. Hoje eu vi o quanto tudo aquilo que eu julguei adormecido em mim continua vivo!
Estava apenas latente esperando para eclodir.
Nós NUNCA (eu disse nunca!) perdemos o dom de fazer amigos e cultivá-los, ou cativá-los para (quem sabe) sempre.
Tente observar!Você vai ter sempre alguém para contar, alguém para amar... alguém ou alguma coisa que te inspire confiança e te faça acreditar que tudo valha ou valerá à pena!
Nenhum sofrimento é eterno, e lembre-se de que sem este tal sofrimento, a evolução seria um despropósito. Então...se você sofre ou já sofreu... tente ver o lado bom da coisa! Por menor que este seja, pelo menos ele existirá e se não for para você, será um lado bom para alguém.
Amar é uma certeza em nossa vida, assim como o sofrimento. Sem sofrimento não há amor verdadeiro, não há crescimento ou vitória, nem mesmo aprendizado.
Amar não é possuir. Amar é sentir algo (bom) e se regozijar com a felicidade alheia, não o amor egoísta que quer a felicidade própria.
Só aprendemos a viver, quando aprendemos a amar. E para amar, precisamos viver.

terça-feira, 24 de março de 2009

A little numb.

Você já teve a oportunidade de se sentir tão, mais tão entorpecido que se perguntou se ainda estava vivo?
Well, eu tive essa sensação (ou ainda tenho) nessa última semana.
Ela foi capaz de me levar a lados extremos de percepção sensorial e sentimental das quais eu ainda não havia experimentado e confesso que gostaria de ter continuado sem saber que tal sensação é essa.
"Se você quer fazer um inimigo para o resto da tua vida, bata-lhe na face". Honestamente, esta é a melhor (ou pior) maneira. É vergonhoso, inesquecível e digamos imperdoável dependendo da evolução moral de quem levou o tapa. Você pode não se arrepender, mais acredite, a vida fará com que você se arrependa.
Rir, chorar, neutralizar, dissociar, doar elétrons... você mal percebe que praticou todas essas ações em menos de 10 minutos e ninguém notou... Primeiro porque não tinha ninguém perto de você, segundo, porque nem você mesmo percebeu.
Amar... até essa capacidade incessante e "volúvel" do ser humano de amar se atenuou por alguns segundos... Coisa que eu julgava impossível dentro do meu ser, mas naquele momento nada mais era impossível nos meus pensamentos frenéticos e desarticulados inversamente proporcionais ao cubo do movimento do ponteiro que marcava os segundos do relógio. Tudo parece tão rápido e devagar demais, o mundo não te acompanha e você resolve, contráditóriamente, "ficar para trás".
Você, caro leitor, não deve estar compreendendo tais palavras desconexas... Mais acredite, eu não as escolhi para escrever, apenas senti. E não, eu não entendo o que eu senti, se é que eu realmente senti.
(será que eu ainda estou aqui?)

segunda-feira, 16 de março de 2009

Apologize.

Bom, perdão pelo abandono momentâneo do Blog. É que a vida de escola, técnico, família,namoro, pseudo-vida-social e pré-vestibular anda levemente mais corrida do que o corriqueiro.

Dessa vez, o que me motivou a vir aqui escrever foi (pra variar) a indignação, o senso de criticar e me desencaixar dos padrões dessa sociedade que se acomoda e engole tudo o que vê, se é que vê.
Numa das raras vezes em que eu me proponho à assistir TV grudei no controle e iniciei o ritual de seleção de programas que talvez pudessem me interessar. Bom, a novela já tinha acabado (depois das 22h), ainda bem que não era dia de jogo, pulei aquela alienação que denominam "Reality Show", pulei um outro canal onde passava uma novelinha de tema absurdo que mais parecia uma válvula de escape da sociedade atual, e assim que mudei o canal me deparei com a cena mais grotesca que eu havia visto nos últimos meses... Em um programinha de 5ª categoria de uma "Rede-AlgumaCoisa" com uma apresentadora de categoria tão baixa quanto à emissora pudemos ver uma senhorita (ou seria senhora-puta?) com trajes que ela dizia ser um biquíni. Para mim, aquilo era um orgasmo instantâneo para um adolescente em fase hormonal que não sabe distinguir o "ser gostosa, deliciosa" do "ser grotesco, ser nojenta". E eu vos digo, Ladies and Gentlemans...Aquilo era grotesco! Me senti um proctologista, ginecologista, obstetra...Tudo o que eu tive direito e senti de maneira involuntária. Foi um show de horror que me fez parar e dar ibope para aquele canal, mas que me fez corar de ódio e indignação.
Não era tão tarde para todo aquele exibicionismo...Ainda mais daquela forma... Uma "cavalona" com trajes de "cavalinha" numa suposta banheira com chantily, morangos, calda de chocolate e um "macho" em cima dela pra que ela "driblasse". Confesso que eu não sentira raiva daquele modo havia um bom tempo.
Me perguntei :"Que tipo de pessoas assistem esse programa, meu Deus?"
Logo me respondi..."Muitas..." Pois é disso que o povão gosta! De gente burra, de gente sem cultura, sem massa encefálica, mas com um corpo esbelto e exageradamente "grande", se é que você caro leitor me compreende.
O mais interessante depois...foi ver a "cavalinha" levantar e cantar uma música(funk é música?) báaarbara! com uma coreografia mais báaarbara ainda!
Depois...esta mesma mulher, vai em um programinha baixo de debate e pede respeito à mulher!
Me diga que respeito esse tipo de mulher merece? Merece um tapa na cara e um "sacode" pra ir levar a vida de um jeito descente! Merece ser ignorada e esculhambada por se tratar de uma vergonha na sociedade! Induz a pornografia de maneira deliberada e natural, como se nascêssemos para tal.
Continuo odiando criminosos, pedófilos, estupradores, mal caráteres, pessoas inexpressivas sem opinião e poluidores de meio ambiente...Mas a minha revolta atual é essa!

"Por favor, menos bundas e mais cérebros...Em prol de um mundo melhor..."

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Prêmio Dardos

Well well.
Após um dia cansativo e reconfortante ao ver a minha prima querida "Fran" ser aprovada em sua prova prática de carta de motorista, as surpresas e alegrias não pararam por aí...
Recebi um recadinho orkutônico da querida Sandy que me surpreendeu (Obrigada Sandy! Me senti realmente honrada e motivada ;D ).
Foi esse tal prêmio Dardos, que tem por finalidade o seguinte:

"Com o Prêmio Dardos se reconhece os valores que cada blogueiro mostra, cada dia, em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo, que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras."

É cláro que como a maioria das coisas, possui regras, e são as seguintes:
1- Aceitar exibir a imagem.
2-
Linkar o blog do qual recebeu o prêmio.
3- Escolher 15 blogs para entregar o
Prêmio Dardos

E os meus "contemplados" serão os seguintes (não levem em consideração a ordem, acho todos fantásticos):
1- Sandy Quintans
2- Jeany
3- Mih de Assis
4- Insanos Conscientes
5- Games Loading
6- Lívia
7- PdB
8- Michael socialista XD
9- Manékinhos
10- Metamorfose Ambulante
11- Escolhidos do Silêncio
12- Lixos Poéticos
13- Histórias que a Cout Conta
14- Gritos Verticais
15- Johnny

Isso é tudo por hoje, obrigada novamente pela surpresa Sandy!
E caso você nunca tenha me visto na frente, mais o teu blog está aí, me desculpem, mais eu realmente não pude resistir de postar tamanhas "obras de arte on-line" por aqui.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Falling into you.

O clima hoje é de meditação aqui dentro de mim.
Hoje acordei fazendo uma "retrospectiva" do meu corpo, das minhas idéias e ideais. E eu confesso que não fiquei muito realizada com o resultado.
Na frente do espelho, eu observei meus pés e pernas. Bem feitos, mas não esculturais, de qualquer forma estava satisfeita. Assim como estas pernas me suportam,a minha família, minha base, meu conforto me suportou e me deu sustentação. Logo reconheci o papel incrível que estes fizeram e ainda fazem (concerteza!).
Subindo um pouco mais encarei meu tronco. Minha barriga levemente arredondada. Não muito magra, não gorda e me satisfiz de certa maneira, óbviamente pensando naquela dieta que eu poderia ter começado na segunda-feira mas a preguiça me foi maior. Não assemelhei minha barriga a nenhum parente e nem situação vivenciada pois só lembrei de comidas gostosas que por sinal eu já estava me arrependendo de ter ingerido.
Subindo mais os olhos no espelho me deparei com minha boca, um leve sorriso, que por diversas vezes se transformara numa bocarra diversas vezes que amigos e amigos me divertiam ou se divertiam comigo. à todos vocês amigos, e mesmo aqueles que não se consideram tão amigos, o meu muito obrigada. Independente do que quer que tenha acontecido, em que momento da vida aconteceu, eu guardo e guardarei pra sempre as melhores lembranças possíveis. E acreditem, eu prefiro rir das lembranças menos felizes, pois elas foram e ainda são primordiais no meu amadurecimento eterno. Mais uma vez, obrigada amigos.
Olhando enfim o rosto como um todo, eu vejo que pouca coisa se modificou por fora, mais só este trabalho reflexivo tornou aquela expressão vazia com um leve toque de desespero em uma expressão cheia de amores e temores, de leves arrependimentos e muitas realizações, e converteu minhas tristezas e alegrias em tristezas e MAIS alegrias.

Ponta pra começar um 2009 com o pé direito?
É, não digo que estou pronta. Mas pretendo terminar um 2009 com o pé direito. Não com o mesmo pé direito que fechei 2008, aliás, foi um fim de ano duro, triste, em que eu estava errôneamente auto-suficiente. Quem se deparou comigo nessas condições, por favor me perdôe mas não releve. De qualquer forma é mais um estágio do tão comentado amadurecimento em que todos nós, sem excessão deveremos passar à duras penas.
Mas para fechar esta postagem com chave de ouro, acreditem, estou descendo um pouco do pedestal do orgulho e pondo à prova a minha humildade em me desculpar de maneira indireta-direta com o mundo, com o disperdício, com a palavra que não deveria ter saído, com a moça que eu não cumprimentei pois estava com "coisas demais" para fazer, com a irmã que eu neguei um abraço, com qualquer um que eu tenha olhado atravessado, enfim.
Aqui começa uma "Mah" diferente. Diferente por dentro. A mesma por fora.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

True Colors

"Do we live in fear or faith?"
Essa pergunta me aturdiu hoje de maneira inesperada.
E o mais inesperado, eu não sabia a resposta para tal questão.
"Se eu vivo no medo ou na fé? Bom, ó meu Deus, obrigada por tudo e eu acredito em ti.
Tanto que eu tô caminhando aqui nessa rua, sozinha e o senhor vai me proteger né? Ninguém vai me fazer mal, me abordar de má fé, porquê o senhor me guia...Etc, Etc."
Poxa vida, Eu tenho fé, não só no Impalpável, mas também na minha vida.
Mas cheguei a conclusão que o medo me domina.
O medo do Mundo. Aquele mundo que te trouxe à vida, mas te trará a morte de maneira mais inesperada. Não que isso seja ruim, pelo menos para alguns. Mas o jeito que esta vem para outros é atordoante, sofrido e complexo para mim.
É broxante (perdoem o termo) e gritante (melhorou) ligar a televisão e nos depararmos com estes casos de negligência e desamor para com a vida. São velhos de 60 anos abusando de suas netinhas, primos de 19 abusando de priminhas de 10, homens e pais nojentos e sem amor que abusam de menininhas e das próprias filhas, tornando-as escravas sexuais de prazeres hediondos. E isso é o mais leve que se pode dizer neste horário.
Vamos nos lembrar também, e celebrar, os milhares de brasileiros que passam fome todos os dias, e o nosso governo maravilhoso e negligente, por sinal, mandando comida para outros países que se encontram em necessidade. Ê BRASIL DE TODOS HEIN?
Não saio na rua sozinha por medo das pessoas, medo dos pensamentos, medo dos comentários, medo das ações. É uma síndrome do pânico em desenvolvimento pronta para eclodir e aturdir pessoas ao meu redor.
É algo que não dá pra conter e nem para fechar os olhos.
O mundo tá doente cara, e o remédio ninguém descobriu.
E, quanto a fé e o medo...Eu tenho fé, mas vivo no medo...Pois quem não tem medo, tá é morrendo.


"Anime-se! Nem tudo está perdido!" - Por: Chicão. (Um garoto especial de verdade)