quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Prêmio Dardos

Well well.
Após um dia cansativo e reconfortante ao ver a minha prima querida "Fran" ser aprovada em sua prova prática de carta de motorista, as surpresas e alegrias não pararam por aí...
Recebi um recadinho orkutônico da querida Sandy que me surpreendeu (Obrigada Sandy! Me senti realmente honrada e motivada ;D ).
Foi esse tal prêmio Dardos, que tem por finalidade o seguinte:

"Com o Prêmio Dardos se reconhece os valores que cada blogueiro mostra, cada dia, em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo, que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras."

É cláro que como a maioria das coisas, possui regras, e são as seguintes:
1- Aceitar exibir a imagem.
2-
Linkar o blog do qual recebeu o prêmio.
3- Escolher 15 blogs para entregar o
Prêmio Dardos

E os meus "contemplados" serão os seguintes (não levem em consideração a ordem, acho todos fantásticos):
1- Sandy Quintans
2- Jeany
3- Mih de Assis
4- Insanos Conscientes
5- Games Loading
6- Lívia
7- PdB
8- Michael socialista XD
9- Manékinhos
10- Metamorfose Ambulante
11- Escolhidos do Silêncio
12- Lixos Poéticos
13- Histórias que a Cout Conta
14- Gritos Verticais
15- Johnny

Isso é tudo por hoje, obrigada novamente pela surpresa Sandy!
E caso você nunca tenha me visto na frente, mais o teu blog está aí, me desculpem, mais eu realmente não pude resistir de postar tamanhas "obras de arte on-line" por aqui.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Falling into you.

O clima hoje é de meditação aqui dentro de mim.
Hoje acordei fazendo uma "retrospectiva" do meu corpo, das minhas idéias e ideais. E eu confesso que não fiquei muito realizada com o resultado.
Na frente do espelho, eu observei meus pés e pernas. Bem feitos, mas não esculturais, de qualquer forma estava satisfeita. Assim como estas pernas me suportam,a minha família, minha base, meu conforto me suportou e me deu sustentação. Logo reconheci o papel incrível que estes fizeram e ainda fazem (concerteza!).
Subindo um pouco mais encarei meu tronco. Minha barriga levemente arredondada. Não muito magra, não gorda e me satisfiz de certa maneira, óbviamente pensando naquela dieta que eu poderia ter começado na segunda-feira mas a preguiça me foi maior. Não assemelhei minha barriga a nenhum parente e nem situação vivenciada pois só lembrei de comidas gostosas que por sinal eu já estava me arrependendo de ter ingerido.
Subindo mais os olhos no espelho me deparei com minha boca, um leve sorriso, que por diversas vezes se transformara numa bocarra diversas vezes que amigos e amigos me divertiam ou se divertiam comigo. à todos vocês amigos, e mesmo aqueles que não se consideram tão amigos, o meu muito obrigada. Independente do que quer que tenha acontecido, em que momento da vida aconteceu, eu guardo e guardarei pra sempre as melhores lembranças possíveis. E acreditem, eu prefiro rir das lembranças menos felizes, pois elas foram e ainda são primordiais no meu amadurecimento eterno. Mais uma vez, obrigada amigos.
Olhando enfim o rosto como um todo, eu vejo que pouca coisa se modificou por fora, mais só este trabalho reflexivo tornou aquela expressão vazia com um leve toque de desespero em uma expressão cheia de amores e temores, de leves arrependimentos e muitas realizações, e converteu minhas tristezas e alegrias em tristezas e MAIS alegrias.

Ponta pra começar um 2009 com o pé direito?
É, não digo que estou pronta. Mas pretendo terminar um 2009 com o pé direito. Não com o mesmo pé direito que fechei 2008, aliás, foi um fim de ano duro, triste, em que eu estava errôneamente auto-suficiente. Quem se deparou comigo nessas condições, por favor me perdôe mas não releve. De qualquer forma é mais um estágio do tão comentado amadurecimento em que todos nós, sem excessão deveremos passar à duras penas.
Mas para fechar esta postagem com chave de ouro, acreditem, estou descendo um pouco do pedestal do orgulho e pondo à prova a minha humildade em me desculpar de maneira indireta-direta com o mundo, com o disperdício, com a palavra que não deveria ter saído, com a moça que eu não cumprimentei pois estava com "coisas demais" para fazer, com a irmã que eu neguei um abraço, com qualquer um que eu tenha olhado atravessado, enfim.
Aqui começa uma "Mah" diferente. Diferente por dentro. A mesma por fora.