terça-feira, 24 de março de 2009

A little numb.

Você já teve a oportunidade de se sentir tão, mais tão entorpecido que se perguntou se ainda estava vivo?
Well, eu tive essa sensação (ou ainda tenho) nessa última semana.
Ela foi capaz de me levar a lados extremos de percepção sensorial e sentimental das quais eu ainda não havia experimentado e confesso que gostaria de ter continuado sem saber que tal sensação é essa.
"Se você quer fazer um inimigo para o resto da tua vida, bata-lhe na face". Honestamente, esta é a melhor (ou pior) maneira. É vergonhoso, inesquecível e digamos imperdoável dependendo da evolução moral de quem levou o tapa. Você pode não se arrepender, mais acredite, a vida fará com que você se arrependa.
Rir, chorar, neutralizar, dissociar, doar elétrons... você mal percebe que praticou todas essas ações em menos de 10 minutos e ninguém notou... Primeiro porque não tinha ninguém perto de você, segundo, porque nem você mesmo percebeu.
Amar... até essa capacidade incessante e "volúvel" do ser humano de amar se atenuou por alguns segundos... Coisa que eu julgava impossível dentro do meu ser, mas naquele momento nada mais era impossível nos meus pensamentos frenéticos e desarticulados inversamente proporcionais ao cubo do movimento do ponteiro que marcava os segundos do relógio. Tudo parece tão rápido e devagar demais, o mundo não te acompanha e você resolve, contráditóriamente, "ficar para trás".
Você, caro leitor, não deve estar compreendendo tais palavras desconexas... Mais acredite, eu não as escolhi para escrever, apenas senti. E não, eu não entendo o que eu senti, se é que eu realmente senti.
(será que eu ainda estou aqui?)

0 comentários: