sexta-feira, 24 de abril de 2009

Straight from the heart

"I'll see you on the street some other time
And all our words would just fall outta line"...
Raiva para quê, meu caro?
Se for para fazer você dar risada depois...saiba que a irritação faz mal ao fígado, e esse mal talvez não compense com a risada que virá depois (se é que ela virá).
Somos seres humanos imperfeitos, egoístas, egocêntricos e tudo mais que estiver relacionado a "amor-próprio-fútil-auto-destrutivo". Alguns seres humanos se encontram em estágio mais sublimado, usando da caridade e descobrindo o real significado do perdão e amor-irmão. Já outros se encontram na mesmice que já estamos acostumados e na lama acomodados, e convenhamos, não há nada pra ser feito por eles (ou nós) afinal de contas a reforma íntima é individual.
E, atualmente a pergunta da vez é "Raiva para quê?" Pra quê o rancor? o encômodo com a simples presença ou idéia (com acento) dela.
Sim, logo nós...seres humanos "perfeitos" que não hesitamos em apontar o grande e longo dedo nos defeitos e falhas alheias e encheeeeer a boca para exaltar as nossas pequeninas "boas ações" ou "atuações" sentindo raiva em relação aos outros? Pois é meu caro (ou minha cara), sente-se bem?
Supondo que pensamento é ação, já paramos para pensar o quão mal fizemos aos outros?
De quê adianta falar de um ladrão, se cobiçamos e invejamos o que os outros possuem?
De quê adianta condenar algum maledicente, se com isso você se contradiz?
De quê adianta repudiar o estupro se estupramos e traímos maridos e mulheres apenas com o vil olhar? (este exemplo é plagiado, permita-me utilizá-lo)
É simples criticar e condenar aos outros, é fácil apontar o dedo indicador à alguém...
Mas lembre-se, que enquanto você aponta um dedo para este alguém, existem outros três dedos voltados para você.


Estou bem, obrigada.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Flying.

Hoje mais segura, quem sabe mais sã.
Posso organizar minhas idéias com mais calma e quem sabe transferir para você caro leitor (digo amigo?) a minha real intenção, mesmo sabendo que a interpretação é uma coisa individual.
Mas enfim. Hoje eu vi o quanto tudo aquilo que eu julguei adormecido em mim continua vivo!
Estava apenas latente esperando para eclodir.
Nós NUNCA (eu disse nunca!) perdemos o dom de fazer amigos e cultivá-los, ou cativá-los para (quem sabe) sempre.
Tente observar!Você vai ter sempre alguém para contar, alguém para amar... alguém ou alguma coisa que te inspire confiança e te faça acreditar que tudo valha ou valerá à pena!
Nenhum sofrimento é eterno, e lembre-se de que sem este tal sofrimento, a evolução seria um despropósito. Então...se você sofre ou já sofreu... tente ver o lado bom da coisa! Por menor que este seja, pelo menos ele existirá e se não for para você, será um lado bom para alguém.
Amar é uma certeza em nossa vida, assim como o sofrimento. Sem sofrimento não há amor verdadeiro, não há crescimento ou vitória, nem mesmo aprendizado.
Amar não é possuir. Amar é sentir algo (bom) e se regozijar com a felicidade alheia, não o amor egoísta que quer a felicidade própria.
Só aprendemos a viver, quando aprendemos a amar. E para amar, precisamos viver.