terça-feira, 27 de outubro de 2009

Don't go away mad.

- "Eu não quero ir embora."
- "E nem precisa ir."

E então a garota depositou naquele abraço todas as suas esperanças e jogou fora todas as desconfianças.
Não tinha nada a temer, nada pra duvidar.
Definitivamente nada daquilo poderia ser mentira.
E então... Alguns segundos que, para a garota pareceram eternos e, que agora parecem ter sido milésimos de segundos se discorreram, até que o contato corpóreo foi se findando. Diferentemente do contato extracorpóreo, diferentemente da energia, do magnetismo...Esses sim persistiram, como persistem até agora, no íntimo da garota.

"Apenas começamos..."

0 comentários: