quinta-feira, 4 de março de 2010

"Por onde andei...

...Enquanto você me procurava?
E o que eu te dei, foi muito pouco, quase nada?
E o que eu deixei - algumas roupas penduradas.
Será que eu sei que você é mesmo tudo aquilo que me faltava?"



Neste momento aí eu me perguntava se era só eu ou se a cidade todinha também podia ver que o sol se escondia por trás das nuvens espessas.
Mas, será que ele se escondia ou lutava para ser visto?
O dia todo havia sido dessa maneira. Ora aparece, ora encoberto.
Assim somos todos nós. Ora claros, nítidos e transparentes perante e para a vida.
Ora encobertos de nuvens espessas da dúvida, medo e transgressão.
Mas devemos ser como o sol também... Nunca desistir da tal luta por "claridade". Por mais difíceis que o "tempo" pareça. Por mais que os temporais e as nuvens permaneçam por dias infindáveis, devemos nos recordar de que o sol nunca se foi. E de que um dia limpo em breve virá.