sábado, 10 de julho de 2010

Devaneios

Às vezes é engraçado observar a percepção do mundo à sua volta em relação à você.
Eu posso sair aqui escrevendo uma tese de mestrado sobre como tudo é relativo, afinal de contas existem divergências.
Há quem me veja como primordial (por incrível que pareça). Há quem me veja como provisório. Como substituta, como acessória, como simpática, como esperta, útil, inútil, fútil, desnecessária, criança (pois tenho idade pra isso), adulta (tendo em vista a idade que possuo).
De fato, eu vou defender a idéia de que tudo isso é relativo. Como alguns conceitos da Física, pode depender do referencial. Como alguns conceitos meus, pode depender da convivência, da personalidade, da vontade do dialogar e do compreender.
Hoje eu provei pra ninguém mais além de mim mesma o quanto eu não preciso de conceitos alheios à mim, sobre mim, pra saber o que sou ou o que sinto. Descobri que sei de todo o meu potencial, das minhas vontades de errar e acertar sem pensar ou pensando muito. Descobri que de opiniões o mundo tá é cheio, e que só compete a mim decidir quais delas merecem a devida atenção. Algumas merecem atenção, outras aceitação, outras não merecem nada relavante.
O caso, é que como uma pessoa que adora acreditar que está certa, eu vá ouvir apenas o que me interessa. Mas, quer saber de uma coisa? Isso vem mudando muito ultimamente.
Estar sempre com a razão não tem sido uma situação frequente, mas, de qualquer forma, eu ainda tenho aquela coisa que muitos já conhecem. A tal da opinião.
Muitas vezes errada, outras vezes certa. Mas é muito gostoso ter opinião. Se você tem, vai dizer que não?

Por hora chega, talvez meu mal seja o sono. :)

3 comentários:

Rogerio Martins disse...

droga, nunca tive opinião =(

Mari disse...

sempre teve, e eu sempre soube :)

Rogerio Martins disse...

*-*