domingo, 18 de julho de 2010

Little things

"O tempo é o Senhor da razão".
Hoje eu pude refletir um pouco sobre a complexidade dessa frase, e o quanto ela parece factual para mim.
Num belo dia, você tem a cabeça quente, os nervos à flor da pele, a dor lancinante e quente no peito. Morrer parece tão imediato e seguro, uma opção forte para alguém aparentemente tão fraco.
Numa bela semana seguinte, você às vezes ainda sente as mãos molhadas de tudo que insiste em cair e que você insiste em conter. Mas você ainda sente que a dor está lá, e que nunca irá embora por completo.
No mês seguinte você se engana um pouco. Você disfarça as lágrimas esporádicas, e prefere procurar alento em algumas amizades verdadeiras ou am algumas diversões fúteis.
Tempos depois você sente seu peito leve. A dor se converteu em lembrança, em sentimento bom e forte que não vai embora, mas que sabe a forma como deve permanecer aqui dentro.
Aí então você descobre que o tempo é o senhor da razão, e não da emoção.
Quem racionaliza, aguenta o tranco. Quem "emocionaliza" e quer resolver tudo na choradeira, não aguenta não. Se faz obrigado à aguentar.

...Num belo dia você acorda sorrindo sem motivo, olha pro lado, e vê Gérberas Vermelhas. Não são Tulipas, mas são flores. E são vermelhas.
Você realiza que tudo pode acontecer denovo. Mas dessa vez você sabe que não será bem assim. Nunca será "bem assim", como foi daquela vez.

1 comentários:

Thábata Sanches disse...

Não será como daquela vez, mas pode ser melhor, não é mesmo?