quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Veja só...

"Tô indo pra onde haja sol, pois o meu coração é meu lar."


Uma etapa enfim é concluída.
É o prenúncio de outra, não necessariamente mais fácil.
O importante é que haja persistência. O êxito será apenas resultante da variável do meu esforço.
Às vezes quero tanto dar o meu melhor nas mais diversas situações do meu dia-a-dia e me pergunto até que ponto os que me cercam estão dispostos a fazer o mesmo... A resposta nunca me parece satisfatória.
Como já disse, o importante é que haja persistência. Da minha parte, mais do que qualquer uma outra. Afinal de contas, se eu sempre vivi e idealizei minha vida independente dos conceitos e ações dos outros, porque eu deveria começar a me abater agora?

Boa noite e Feliz Natal!

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

E eu disfarço,

São 23:51 PM, e meus olhos ardem.

Ardem de sono. Amanhã será um longo dia.
Não digo trabalhoso, será sábado.
Trabalhosa foi a minha semana.
Algo pra se indignar, algo pra se "abstrair".
Nada tão ruim que se torne significante. Talvez algo bom que mereça ser chamado, "memorável".
Às vezes eu só gostaria que as pessoas fossem mais descomplicadas. Menos egoístas, menos prejudiciais.
Às vezes eu gostaria de ser menos "pessoa", para que cada dia eu me sentisse menos misturada a tudo isso.

É que eu ainda tenho meus ideais,
E eu ainda quero lutar por tudo isso (eu acho).

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Uma Alguém...

...Que sempre vai estar lá, com aquela conexão direta incomum.


Alguns chamam de amiga,
Eu chamo de anjo particular. Conselheira, irmã de espírito (haja vista que nossos pais são diferentes).
Passa uma semana, sem contato verbal algum. A eletrostática fala por nós.
Não é preciso tantas palavras com os nossos olhares inquietos.
Não é preciso ter o medo da perda. Esse amor sincero é dar sem esperar nada em troca.
E eu só quero que isso nunca se perca...Como vem provando pra mim que não irá acontecer.

Quero estar com você, te ver e crescer junto.
Te aplaudo, "fadinha".

:)

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Eu estava

E estive.

Eu passei um longo tempo dormindo em cima das coisas nas quais eu acreditava.
Às vezes eu ainda acho que faço isso.
Mas honestamente, para mim hoje é um grande avanço ouvir as músicas do Bon Jovi sem chorar, sem corar, sem querer gritar ou me descontrolar.
Agora dá pra ouvir e gostar sem sentir dor.
Talvez eu tenha crescido, amadurecido.
Talvez eu só queira acreditar que tudo isso está acontecendo e pronto.
No fim das contas eu só continuo sentindo aquela mesma coisa...Aquele medo.
O medo do incerto.
Mas o que é a vida, senão um grande mar de incertezas, no qual eu sou uma desvairada que usa uma jangada?
E é nesse mar de incertezas certas que a minha jangada esbarrou numa lancha.
Uma lancha protetora tão frágil quanto a minha jangada, mas incrível e paradoxalmente forte na qual eu me agarro mais e mais, com cuidado e...Com amor.