domingo, 2 de janeiro de 2011

A poesia e Eu

É tudo uma questão de tempo até que determinemos quem é realmente indispensável na nossa vida.

Uma questão de tempo, uma questão de momento.

A confiança pode ser definida como ato ou efeito de confiar.
Eu prefiro definí-la como ato ou efeito de ser cúmplice, de sentir firmeza nas palavras e carinho nos olhos. De não ter medo de opinar, de falar e declarar o que sente em momento qualquer que seja...Afinal de contas, haverá compreensão e em muitos casos, reciprocidade.
Confiar em alguém, atualmente, tem sido cada vez mais difícil. Porém não desisto desta virtude que persisto em perseguir, em testar.
Somos dignos de confiar, embora ninguém nunca possa nos garantir que alguém de fato seja digno de confiança. O que importa é dar início a algo, fazendo a parte que cabe apenas a cada um de nós.
A sorte está lançada!
Digo mais do que sorte, afinal, além de confiar...Hoje posso dizer que o amo.
Trago ao meu lado, junto à mim, e não "comigo" pois seria demasiado possessivo, alguém pra confiar, pra declarar e aconchegar. Digo até pra sonhar, porque não só de cimento e cal vive o homem. Vive também de nuvens e céu.
Pois eu confio, e amo.
Ora amo e confio.

2 comentários:

Anônimo disse...

:$ rs

Cova disse...

Nossa, rs...