terça-feira, 26 de abril de 2011

I used to love him...

...But i had to kill him."


(grego hupokrisía, -as, desempenho de um papel)
s. f.
1. Fingimento de bondade de ideias ou de opiniões apreciáveis.
2. Devoção fingida.

Por um momento eu acreditei que fosse estragar tudo...E com muito gosto!
As máscaras, o verniz social se desfez numa questão de instantes, apertando meu fígado e me promovendo dores lancinantes. Eu não poderia continuar assistindo um teatro daqueles e continuar a mostrar os dentes como um leão muito bem treinado para sorrir.
Foi assim que as palavras saíram...Poucas, baixas, mas num tom confiante o suficiente para serem ouvidas por alguns poucos...Que as interpretaram da forma que escolheram. Que me interpretam da forma que bem desejam, nunca me conhecendo como realmente sou.
Eles não entenderam que eu estou nisso tudo há apenas 19 anos...Não é tão fácil fingir, atuar dentre tantos atores e atrizes (diga-se de passagem, demagogos) antigos desse teatro vital.
É uma concorrência desleal! Sendo assim, me perco. Me machuco. Me vejo absurdada dentre tantas palavras ácidas, em um momento inoportuno...Onde tudo era pra ser sorrisos, não falsos, mas sorrisos de verdade, de saudade, do reencontro.
Alí, parada como uma mera expectadora, eu só via olhares competitivos, olhares rancorosos, olhares sarcásticos ávidos por deslizes alheios para encontrarem motivo para a próxima conversa, olhares de incestos, entrelinhas sujas e mal escritas por um convencionalismo que eu duvido que exista.
Uma mão se estendeu para agarrar a minha, num momento de reconhecimento verdadeiro. Ouvi tudo com atenção e absorvi, reconheci tudo o que pude. Mas no fim das contas não pude concordar, e tive apenas de lamentar o fato dela ter se "acostumado" com a peça atuada. Agradeci, e a segui contrariada...De forma que não estragaria o dia dos poucos que se fazem desentendidos ante o teatro, e a decisão se formou mais firme e clara do que nunca.
Se é necessário que eu também atue para continuar a fazer parte desta companhia...Será com armas contrárias e paradoxalmente certas: Minha verdade, sinceridade e pureza de caráter.
O leão só irá sorrir, quando realmente for de algo engraçado... Confesso que acho que foi assim que ele foi treinado.

3 comentários:

rocko disse...

Eu não deixo passar hipocrisia (ou sera que deixo? oO). É sempre bom dar uns tapas de verdade na cara dos outros. ;)

Stramundo disse...

Meu melhor acréscimo
http://stramundo.blogspot.com/2009/10/jogo-das-relacoes-sociais.html

Stramundo disse...

Outra contribuição
http://stramundo.blogspot.com/2009/10/o-fracasso-da-diplomacia.html