sábado, 9 de julho de 2011

Sobre meu passado, e sobre mim

É incrível o fato de que, por mais voltas que o mundo dê...Eu pareço sempre ficar muito tonta e no mesmo lugar.

Meus fantasmas continuam lá, intactos. E me sorriem sempre que podem.
Eu não sei até que ponto podemos esquecer aquilo que passou, ou se ainda, pra alguns, a dor arde..Machuca lembrar.
Eu relutei tanto em pedir desculpas. Sempre me justifiquei com aquela velha história de aprendizado, que com os erros eu aprendia e não deveria me desculpar.
Hoje, não sei até que ponto isso vale.
Será que era uma questão de orgulho? O medo de oferecer a face e de fato receber a bofetada?
Hoje, eu não sei explicar o que houve.
Mas eu sei explicar o que aprendi, e que não me arrependo das conquistas que fiz...e das rasteiras que levei. Algumas perdas foram consequência de atos não muito bem pensados, mas que também serviram para que eu aprendesse a fazer diferente de lá em diante.
E mentir, eu nunca menti. Eu só não soube como agir, como me justificar, o que fazer.
Uma questão de orgulho, Uma questão de medo...Que fez tudo ficar suspenso, e com essa sensação de pendência, nó na garganta, até hoje.
Eu espero que um dia, eu possa me livrar dessa carga.
Do fundo do meu coração peludo, eu espero.
Mesmo sem saber como. Da mesma forma que eu não soube o que fiz quando tudo isso começou.

1 comentários:

Stramundo disse...

Parece que é algo comum a todos os seres humanos, de sã conciencia, essa condição descrita no seu texto.

Só me faz lemebra da musica:
"...se um dia eu pudesse ver, meu passado inteiro
e fizesse parar de chover nos primeiros erros..."