domingo, 27 de novembro de 2011

Crenças e Desejos

O difícil é controlar os impulsos do meu corpo no ritmo da minha mente.
Meu corpo é sempre mais rápido, menos cauteloso.
Eu não sei bem o que pensar, como pensar. Mas sei que de alguma forma penso, e confesso que me dói.
Dói saber que sentimentos são guardados, não só por mim.
Dói saber que eles não deveriam existir, e por isso são reprimidos...São compactados...Mas deixam rastro.
Deixam marcas de suas impressões ao vento, ao sol, ao correio eletrônico, na memória.
Sejam bons, sejam incômodos. De alguma forma são, foram.
E ainda não sabemos quando, como, mas muitos desejam que eles deixem de existir.
Outros lutam silenciosamente para que eles perdurem.
É controverso. Mas assim é o ser humano, assim sou eu, não?

"Hey mãe, eu tenho uma guitarra elétrica. Durante muito tempo isso foi tudo que eu queria ter".

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

"Existe um lugar onde ninguém pode tirar você de mim...Esse lugar se chama pensamento! E nele, você me pertence" - Charles Chaplin.

Na verdade eu não quero tudo isso desse jeito. Preciso de algo mais leve, mais suave e sutil.
Mais meu.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Sobre as mudanças, e meu peito

A mais pura verdade que eu posso dizer, é que não sei mentir. Nunca soube.
Às vezes tento me esconder atrás de palavras mais duras, meio encenadas numa tentativa muitas vezes frustrada de encobrir a verdade romântica e esperançosa por trás delas.
Outra verdade é que temo. Temo por imaginar que as coisas que julgo boas não devam durar tanto quanto eu gostaria. É demasiado egoísta, eu sei! Mas quem é que não se dá ao luxo de ser assim às vezes, ao sentir aquela coisinha diferente? Aquela alegriazinha irremediável que te faz sorrir sem mais nem menos?
Eu tentei. Ah sim eu tentei fazer diferente dessa vez. E digo mais, digo que estou fazendo!
Não sinto cólicas e ansiedades para remediar situações, não busco definições concretas para o momento atual no qual decidi apenas "viver e deixar viver". Mas não posso conter um certo grau de frustração quando te ouço delimitar tanto sentimento que possa estar guardado. Eu faço que não, mas eu sinto.
Interessante que eu prometi deixar a onda me levar, e a única pessoa que está criando muralhas aqui não sou eu. E pedir para eu relaxar, mais me parece uma autoafirmação daquilo que você mesmo necessita fazer...Re-la-xar.
Eu disse que não escreveria, mas isso eu não posso fazer. Você já virou motivo. Só não se julgue tão importante, ouvi uma vez que ninguém é insubstituível.

sábado, 19 de novembro de 2011

No ar que eu respiro,

Eu sinto prazer..."

Talvez exatamente por isso eu já perdi as contas de quantas vezes ouvi que "você é mais macho que eu, que sou homem".
O meu desejo de liberdade supervisionada é maior do que qualquer outra coisa que eu pude querer. E honestamente? É difícil que queiram coexistir contigo nesta condição. Dessa forma eu continuo colocando tijolinhos na construção da minha parede da personalidade, enquanto alguns a vislumbram como muralha que me protege (ou afasta) dos outros.
Não é isso que eu ouço, mas é o que sinto.

sábado, 5 de novembro de 2011

Picos

Sou feita deles, os picos.
Momentos felizes, tristes, fugazes.
Nunca tomei a decisão de escolher um desses picos e torná-los constantes em minha vida. Parece até que gosto de viver perigosamente, sentindo ora tudo de uma vez, ora nada por nada.
A verdade é que eu desconfio ser muito intensa, e às vezes até ingênua demais.
É que gosto por demais de gastar fichas na esperança, no desconhecido que eu quero conhecer...E para isso já julgo que conheço, vou disfarçando bem... Até ver que vou ficando sem fichas, sem forças, sintonizando-me com outro pico de sentimentalismo.
E como que por encanto, em algum momento perfeito que eu ainda não descobri qual é, fichas novas se materializam em minha mão... E a criança esperançosa que aqui existe, volta a apostar... Inicialmente cautelosa,  às vezes enfiando pés pelas mãos e confundindo o local de entrada das fichas, porém, sempre com o mesmo objetivo.
No desconhecido, no improvável, em você.
:)