sábado, 19 de novembro de 2011

No ar que eu respiro,

Eu sinto prazer..."

Talvez exatamente por isso eu já perdi as contas de quantas vezes ouvi que "você é mais macho que eu, que sou homem".
O meu desejo de liberdade supervisionada é maior do que qualquer outra coisa que eu pude querer. E honestamente? É difícil que queiram coexistir contigo nesta condição. Dessa forma eu continuo colocando tijolinhos na construção da minha parede da personalidade, enquanto alguns a vislumbram como muralha que me protege (ou afasta) dos outros.
Não é isso que eu ouço, mas é o que sinto.

0 comentários: