domingo, 26 de fevereiro de 2012

Como é (?)

"..que seja doce o dia quando eu abrir as janelas e lembrar de você. que sejam doce os finais de tardes, inclusive os de segunda-feira - quando começa a contagem regressiva para o final de semana chegar. que seja doce a espera pelas mensagens, ligações e recadinhos bonitinhos. que seja (mais do que) doce a voz ao falar no telefone. que seja doce o seu cheiro. que seja doce o seu jeito, seus olhares, seu receio. que seja doce o seu modo de andar, de sentir, de demonstrar afeto. que sejam doce suas expressões faciais, até o levantar de sobrancelha. que seja doce a leveza que eu sentirei ao seu lado. que seja doce a ausência do meu medo. que seja doce o seu abraço. que seja doce o modo como você irá segurar na minha mão. que seja doce. que sejamos doce.."


Às vezes eu me perco na intensidade das palavras e nas demonstrações em atos.
O fato é que temo em pecar pela falta e pelo excesso, acabando por me esquecer do quanto tudo pode estar tão certo como está.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

The best thing about us

Eu penso, eu vivo pensando.
Vivo nessa compulsão de pensar, sem planejar.
É um pensar diferenciado. É um desejar sutil.
É um querer tão puro e infantil, que me faz querer ser eternamente criança.
É estar atribulada, atarefada, carrancuda e deixar brotar um sorriso bobo ao lembrar de uma bobagem qualquer.
É deixar a pele arrepiar se soltar o pensamento e deixar ele ir um pouco mais além.
E se sentir feliz, sendo que o único objetivo está em fazer (e se sentir) bem.

É engraçado como eu sempre me divertia pensando nos planos, nos futuros...e por conseguinte me frustrava com o passar do tempo.
O mais engraçado é estar me divertindo agora com o ontem que passou. Com a palavra dita. Com o Hoje, e tanta pouca muita coisa acontecendo.
É como se eu me descobrisse um pouquinho mais a cada dia, descobrindo um pouco mais de você.
E hoje, gostando tanto de gostar de mim...Gostei de ti.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

"Você me liga do quarto em seu hotel

Toda romântica, entregue a alguém que conheceu
E dizendo o quanto você estava triste por
partir tão cedo, E que você sente minha falta às vezes
quando está sozinha em seu quarto
 eu me sinto só também??
Você não tem direito de perguntar como me sinto!
Você não tem direito de falar comigo com tanta gentileza,
Não podemos continuar tão apegados
Por isso por agora seguiremos vivendo vidas separadas".

-Phil Collins. Separate Lives.

E não é nem medo de desperdiçar as fichas tentando.
É simplesmente não querer mais colocar nenhuma ficha nessa mesma máquina, que jogou com o meu amor.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

O problema em

O problema em ser intensa é sempre o mesmo.
Se você está feliz, não é com descrição. É uma felicidade digna de rir sozinha, o dia todo. De arrepiar ao pensar naquilo que te faz bem.
Se você não está bem, não é com cuidado. O famoso "bico" aparece inevitávelmente, os olhos reviram por qualquer motivo, e as lágrimas...Ah, as lágrimas aparecem até para falar "bom dia".
É fato que nada disso dura um ano, mas o dia que ele leva...parece uma eternidade, é claro.
E isso me faz pensar que às vezes eu gostaria de ser mais morna, mais normal. Quem sabe assim todos os meus problemas fossem resolvidos.
Quem sabe eu não fosse um pouquinho mais plenamente feliz se eu fosse mais mecânica, mais "domada".
Vivesse para ganhar dinheiro, comprar casa, carro do ano, casar com alguém que eu não ame e nem me conheça do jeito intensa que eu sou...porque senão não duraria nem um mês. Ser mãe...Hm, fazer de tudo para ser aquilo que eu tive e não tive...principalmente esse último.
Acho que neste momento eu recobraria a consciência, tiraria o cabresto, perderia as rédeas...e num certo momento minha essência de intensidade...de "hot 'n cold" voltaria.
É, eu não fui feita para ser normal. E mesmo que todos os dias eu durma no Brasil e Acorde no Japão...Eu prefiro ser assim a passar minha vida toda nascendo e me pondo num só lugar.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Segure a onda

Não deixe ela te derrubar.

É um problema quando você cresce, e perante ao mar se sente uma criança que nunca aprendeu a nadar.
Nunca te ensinaram, e você nunca se propôs a aprender sozinho...já que nunca acreditou ser algo tão intrínseco em sua vida.
É foda quando os caminhos te jogam na frente do mar e ordenam : "Nade!"
Mais foda ainda você colocar os cotovelos nos joelhos e chorar, com medo de morrer afogada...Logo você que sempre se julgou tão cheia de atitude.

É...logo eu.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

"Tenho tudo pronto dentro de mim e uma alma que só sabe viver presentes. Sem esperas, sem amarras, sem receios, sem cobertas, sem sentido, sem passados."


E hoje eu gosto de brincar de "Eu".
"Eu vou, eu quero, eu sou...Eu amo".
Se tu tens uma definição de amor, tenho a minha e, Ah...Eu amo.