sexta-feira, 20 de abril de 2012

Era tanta coisa ao mesmo tempo, que ela já não definia mais as prioridades das coisas e sentimentos.
Ela sentia coisas que não sabia nomear, vontades que não sabia explicar e confusões que não sabia desfazer.
Pedia ao Alto que a orientasse, que a dor diminuísse...Ou que pelo menos se explicasse, para que ela pudesse enfrentar com mais empenho. Às vezes saber das razões nos faz lutar com mais vigor pela vitória.
Mas algo no fundo de tanta inquietude a aquietava:  Se a dor parecia tão enorme, e a batalha árdua. A vitória seria inesquecível, inigualável...tão mais grandiosa do que quão grande pareceu o sofrimento.

Numa das suas conversas com aqueles que não tem mais corpo físico, se sentiu melhor...e para as suas perguntas apenas ouviu num suspiro: "Força, Paciência e Foco. É tudo que você precisa saber e fazer agora".
E ela tentava obedecer.

1 comentários:

Anônimo disse...

Em uma vida na qual pensamos que é feita de cíclos, onde pensamos que o verão sempre virá do mesmo jeito após primavera, onde pensávamos que nossos filhos teriam o mesmo respeito e admiração que tinhamos por nossos pais... furada, pois apesar do mundo ser redondo e sempre dar voltas, ele NUNCA volta no mesmo lugar, cabe a nós não esperar voltar e sim se preparar para coisas nova, que podem ou não ser parecidas, mas como cantava o poeta Tim, "...nada do que foi será, do jeito que já foi um dia..."