domingo, 19 de agosto de 2012

"Como é que a alma entra nessa história? Afinal, o amor é tão carnal!".

Apesar de gostar muito da música, eu discordo plenamente!
Meu amor sempre teve mania de começar nos olhos. Aqueles olhos que te transportam pra alma, te fazem passear no pensamento, no sentimento, no interior daquele ser almejado ou até então querido.
Quando não, começam pelas palavras. Aquelas que mesmo irreais, nos prendem, nos ilude...nos faz sonhar.

Queria um amor que começasse no coração.
No meu, no teu e ponto.
Sem enganos, sem chateações, sem medo de errar.

2 comentários:

Rogério disse...

(...)Ciclopes. As pessoas, parecidas com os lagartos primitivos, têm no interior do crânio uma jóia. Chama-se “glândula pineal “ e situa-se no interior do cérebro, na juntura dos dois hemisférios do cerebelo. Em certos indivíduos este terceiro olho rudimentar ainda é sensível á luz

O olho resiste a análises isoladas. Há que ter em mente o facto de os olhos serem, actualmente, dois globos moles boiando dentro de ossos.
As impressões olham-me
Pergunte-se a qualquer pessoas qual o sentido que gostaria de preservar se perdesse todos os outros. A grande maioria diria a vista, abdicando de um milhão de olhos interiores em favor dos dois que têm na cara. Sendo cegos, continuaríamos vivos e poderíamos talvez descobrir a sabedoria, quando , sem tacto, nos tornaríamos em cepos

O olho é uma boca ávida que se ceva com o mundo.

Arquitecto de mundos imagem
Em luta com o real.

Há dois planetas gémeos
No crânio

O olho é deus. E mundo
Porque tem o seu próprio equador


As janelas são olhos da casa. Olhem para o exterior da prisão do corpo enquanto outros olham para o interior. Nunca o tráfego é em sentido único. “ver” implica sempre a possibilidade de violação da intimidade, porque, enquanto os olhos nos revelam a imensidade do mundo exterior, ficam patentes para outros os nossos infindos espaços internos.
(...)

os estados anormais as pupilas dilatam-se. Drogas, loucura, embriaguez, paralisia, exaustão, hipnose, vertigem, excitação sexual forte.

(...)
A escolha do par começa por um apelo visual. Não intervêm o olfacto, o ritmo ou a pele. É errado crer que o olhar pode acariciar uma mulher. Uma mulher é feita de luz ou é feita de pele? A imagem dela nunca se torna real no olho, é sim gravada nas pontas dos dedos.

(...)

Com que direito se denominam os olhos “janelas da alma” e chaves da mais profunda comunhão humana, ficando o tacto reduzido a vagos contactos carnais

Rogério disse...

É do Jim Morrison, eu acho.