quinta-feira, 11 de abril de 2013

Falava, falava sem chorar. Se sentia certa. Sabia que estava.
Queria falar, falar e falar! Mais do que isso...Queria ser ouvida.
Já bastava o mundo lá fora tachando-a de maluca, não precisava disso dentro de casa. Mas tinha o infeliz conhecimento de que às vezes seria inevitável.
Poderia tudo aquilo que ela julgara tão errado sua vida toda estivesse tão certo a ponto dela sentir toda a sua vida tão errada? Com esse pensamento sentia um pouco de vida se esvaindo entre seus dedos, era muito imaterial para segurar.
"Eu só peço força para continuar e sabedoria para aceitar as coisas que não posso mudar".

Ela pedia.
A realização estava à caminho.

1 comentários:

Stramundo disse...

O primeiro que achar a resposta para esse enigma que compartilhe com o outro