terça-feira, 13 de outubro de 2015

Eu olho pra tela do computador, penso em meia dúzia de palavras e apago. Fecho os olhos, me sinto estúpida. Escrevo, apago. Que bom que sem borracha, senão tudo isso estaria uma bagunça – Penso.
Meu coração tá tão apertado. Parece que eu dei um nó aqui e nada o desfaz.
Eu não consigo ignorar, dar menos importância, dormir pra passar. Você está lá, algo precisa ser feito! Alguma palavra precisa ser dita! A gente precisa se entender. Neste momento é tudo o que eu mais quero, pra que essa sensação aterradora de “game over” vá embora.
Ainda estamos. Mas este nó insiste em me dizer que algo está errado. Ele me cutuca, me machuca, me sangra por dentro pra ninguém ver (nem eu).
Quero lutar, quero errar menos, quero ser leve. Mas a cada discussão me sinto lutando pouco, errando demais e pesando demais.
Gosto tanto, sinto tanto, mas parece que não sou eu que deveria estar aí, e acho que é por isso que dói.
Sinto, sinto muito.

Será que você sente também?